Data limite de tempo

Embarcações Auxiliares - Limites de Navegação

2020.11.17 22:56 killuabr Embarcações Auxiliares - Limites de Navegação

Boas pessoal,
Não sei se há aqui muito pessoal ligado a náutica ou ao mar, mas já tentei quase tudo, procurar na legislação, perguntar (formadores da For-Mar inclusive e pessoal que anda embarcado em navios de pesca), mas ninguém me soube responder.
A minha grande dúvida aqui é, nas embarcações de recreio, temos a limitação de distância de navegação (afastamento da costa e porto de abrigo) estipuladas consoante as classes das embarcações (1, 2, 3, 4 e 5), certo.
Já nas embarcações Auxiliares Locais e Auxiliares Costeiras, os únicos limites de navegação que encontrei nas leis até o dado momento do post, foram o seguinte:
Decreto-Lei n.º 265/72, de 31 de Julho
"CAPÍTULO II Classificação das embarcações nacionais
ARTIGO 24.º Embarcações auxiliares Embarcações auxiliares são as que se empregam em serviços não abrangidos nos artigos anteriores, mesmo as desprovidas de meios de propulsão, e cuja designação lhes é dada conforme o serviço especial a que se destinam.
ARTIGO 25.º Classificação das embarcações de comércio quanto à área em que podem operar As embarcações de comércio, quanto à área em que podem operar, classificam-se em: a) De tráfego local; b) De navegação costeira nacional ou internacional; c) De cabotagem; d) De longo curso.
ARTIGO 26.º Embarcações de tráfego local 1. Embarcações de tráfego local são as que operam dentro dos portos e respectivos rios, rias, lagos, lagoas e esteiros e, em geral, dentro das águas interiores da área de jurisdição da capitania ou delegação marítima em que estão registadas. 2. Na metrópole é permitido às embarcações de tráfego local fazer navegação costeira nas seguintes zonas: a) Entre Porto e Leixões; b) Entre Peniche e Berlenga; c) Entre Lisboa e Cascais; d) Entre Lisboa e Setúbal; e) Entre Setúbal e Sines; f) Entre Sines e Vila Nova de Milfontes; g) Entre Lagos e Albufeira; h) Entre Albufeira e Tavira; i) Entre Tavira e Vila Real de Santo António; j) Entre as ilhas de S. Miguel e Santa Maria; l) Entre as ilhas do Faial, Pico, S. Jorge, Graciosa e Terceira; m) Entre as ilhas das Flores e do Corvo; n) Entre as ilhas da Madeira, Porto Santo, Desertas e Selvagens. 3. As embarcações de tráfego local registadas nos portos incluídos em cada uma das zonas mencionadas no número anterior, sempre que pretendam utilizar-se da permissão citada, só o poderão fazer desde que: a) A autoridade marítima respectiva reconheça, mediante vistoria, que estão em condições de realizar a viagem pretendida, tendo em conta o estado e qualidade da embarcação em relação com o estado do tempo e sua previsão para o período da viagem;
b) Estejam munidas de certificado de navegabilidade. 4. As vistorias a que se refere a alínea a) do número anterior não isentam a embarcação das vistorias de manutenção para se averiguar da sua conservação e condições de segurança. 5. O Ministro da Marinha pode, para embarcações de tráfego local registadas na metrópole, alterar, por portaria, as zonas especificadas no n.º 2 deste artigo. (O Decreto-Lei n.º 111/2008, 30JUN, estabeleceu que o certificado de segurança ali previsto, substitui, para todos os efeitos legais, o certificado de navegabilidade previsto no Regulamento Geral das Capitanias, devendo todas as embarcações de pesca abrangidas por aquele diploma possuir o mesmo certificado no prazo de 24 meses após a respetiva data de entrada em vigor)
ARTIGO 27.º Embarcações de navegação costeira nacional 1. Embarcações de navegação costeira nacional são as que só podem navegar ao longo das costas nacionais, de um modo geral, à vista de terra, limitando-se a escalar portos nacionais. 2. Na metrópole, as embarcações referidas no número anterior fazem navegação costeira nas seguintes zonas: a) Para as registadas nos portos do continente - entre estes portos; b) Para as registadas nos portos da Região Autónoma dos Açores - entre quaisquer portos das respectivas ilhas; c) Para as registadas nos portos do arquipélago da Madeira - entre as ilhas da Madeira, Porto Santo, Desertas e Selvagens. 3. Os limites referidos nos números anteriores podem ser excedidos nas seguintes condições: a) Arribada forçada devidamente justificada; b) Autorização, caso por caso, por despacho do Ministro da Marinha. (Alterado pela Portaria n.º 607/79, de 22NOV)
ARTIGO 43.º Classificação das embarcações de recreio, rebocadores e embarcações auxiliares quanto à área em que podem operar 1. As embarcações de recreio, os rebocadores e as embarcações auxiliares, quanto à área em que podem operar, classificam-se em: a) Locais ou de porto; b) Costeiros; c) Do alto. 2. O Ministro da Marinha pode estabelecer outras classes, por meio de portaria."
Portanto, estive a procura de uma portaria que desse mais detalhes quanto ao limite efetivo de distanciamento da costa de dos portos de abrigo relativamente as embarcações AL e AC, porém sem resultado.
Efetivamente, nas embarcações auxiliares locais podemos perceber a sua limitação em relação a navegação entre portos de abrigo, estando as mesmas limitadas a navegação entre capitanias, sendo também regida a sua deslocação pela autoridade marítima, a qual, consoante vistoria da embarcação, poderá ou não autorizar a deslocação.
Aqui vai a primeira pergunta, segundo a minha interpretação da lei... Qual a periodicidade dessa vistoria? Pois posso ter uma embarcação bastante robusta para transporte de passageiros, mas estarei então condicionado a uma vistoria cada vez que for sair? (Diariamente)
Segunda pergunta... Se me desloco por exemplo entre Tavira e VRSA, a que distância posso me afastar da costa numa embarcação local?
Nas embarcações auxiliares costeiras, sabendo que só posso navegar com vista de terra, estarei então condicionado as condições climatéricas? Pois num dia bom às 10nm de terra ainda consigo vê-la, mas num dia mau, não vejo nada a 1nm a frente. Estarei eu condicionado pela carta do mestre da embarcação? Ou terei eu de requisitar uma limitação de afastamento da costa a DGRM ou ministro do mar?
A nossa lei tem muitas lacunas, aos nossos servidores faltam informação e por consequência, nós ficamos na ignorância. Desde falta de esclarecimento por parte do que está escrito, até ambiguidade pelo mesmo, a ignorância faz-nos reféns de quem pagamos para regular tal aparato.
Desde já agradeço aos que tomaram tempo para ler, e ajudar, ou pelo menos tentar.
submitted by killuabr to portugal [link] [comments]


2020.11.15 00:08 eddwmv Noite chuvosa - Contos da madrugada

Dia 22 as 18 horas, A placa alertava: noite chuvosa. Seria ótimo para lavar a alma depois de uma semana tão triste. No trabalho estava no meu limite, Não havia para onde correr, nem mesmo a meu relacionamento, que a dias não existe. Corpo cansado, coração fadado ao fracasso. Penso em tudo isso enquanto olho para baixo e encaro o meu sapato. Faço manobras da calçada para o asfalto, tentando sair do congestionamento humano. Ate que fui acordado do meu transe cotidiano com as gotas de chuva batendo em meu rosto.
As pessoas corriam e se escondiam da chuva, uma tempestade se formava. Eu continue andando e procurando um lugar para aguardar a chuva passar, logo encontrei um abrigo em frete a uma floricultura. Esperei e Esperei, todos a minha voltas foram embora no meio de toda aquela chuva e eu continuei a esperar. Já era 18:48 e parecia que a tempestade não teria um final. Quando fui pegar o ônibus e me surpreendi quando vi a multidão no terminal, mais do que o normal foi algo tão surreal. Pessoas brigando e se empurrando para entrarem. Novamente eu esperei a multidão dispersar naquela noite por acaso não estava apressado a chegar em casa. Pouco a pouco a multidão foi dispersando e por "coincidência" os ônibus acabando. Olhei ao meu redor com a esperança do meu ônibus ser o próximo a chegar, mas antes mesmo que eu criasse alguma expectativa eu olhei para o lado e vi ela, Clara, novamente por coincidência do destino no mesmo momento o alto-falante informa linha 677 cancelada. Nem conseguir pensar ao menos como iria voltar para casa mas sim que clara estava ali, parada.
Havia sido um término dolorido, Ambos haviam saído feridos. Não sabia o que fazer, seriamos amigos ou inimigos na nossa ultima conversa isso não ficou explícito. Foram poucos segundos mas tantos pensamentos. Me sinto inseguro mas ao mesmo tempo enfrentaria o mundo. Por um impulso de coragem eu fui em direção a ela, As pernas travaram porem não teria como eu parar agora, Era tudo ou nada. Ao chegar a certa de dois metros de distância ela olhou em minha direção e por minha surpresa ela não demonstrou nenhuma reação, Apenas disse um ola seco e sorriu, logo apos me abraçou de forma gentil.
Ela esta nervosa mas parecia não ser por minha causa, praticamente não se importava com o que acontecia ao seu redor naquele momento. Então eu perguntei o que a afligia, um pouco preocupada ela pediu desculpas por seu comportamento e disse que havia um compromisso naquela noite e não poderia perde-lo por nada. Porem os ônibus estavam lotados e sair de lá andando no meio de uma tempestade não parecia ser nada fácil.
Angustiada mexia de um lado para o outro o seu anel. Fiquei preocupado nunca havia lhe visto tão estranha, olhava de um lado para o outro como se esperasse que o universo a ajudasse. Acho que de alguma maneira o universo ajudou , me colocando no meio de seu caminho. Não havia mais ônibus e nem taxi , todo mundo já estava em direção a suas casas menos ela e eu. Ainda sem saber muito o que fazer para ajuda-la dei a ideia que fossemos no balcão de informações que estava bem próximo de nós, Acenou com a cabeça e fomos em direção .Neste pequeno percurso de poucos segundos não deu para não notar como ela estava triste. Ela não era assim , pois é a mais engraçada dos amigos, Sempre tem um sorriso mesmo que seja escondido.
Ao chegar no balcão notei que era uma pequena cabine, tao pequena que imaginei como seria respirar dentro de um lugar como este. Dentro havia um rapaz simpático com um sorriso de ponta a ponta. Ele nos disse boa noite e perguntou como poderíamos nos ajudar ,antes mesmo do moço terminar de falar clara já tinha lhe interrompia e disse que teria que volta para a Iracema antes das 23 horas. Mas antes dela especificar, O moço deu o troco em clara e não a deixou terminar a frase dizendo que não havia ônibus disponível por conta da grande chuva. Ela sofreu uma mudança repentina de comportamento, estava brava e não se parecia mais aquela moça que eu tanto conhecia. Eu retirei clara da vidraça empoeirada da cabine enquanto ela batia bruscamente nela e xingava o rapaz que não a respondia, Apenas sorria.
Já um pouco distante coloquei-a no chão e a perguntei o que estava acontecendo de fato, ainda um pouco nervosa ela abaixou a cabeça respirou e me perguntou porque eu estava tentando ajuda-la ,que não devia nada a ela e assim poderia esquecer e ir embora. Mesmo ainda sem entender o que se passava eu disse a ela que também gostaria de volta para casa , que tinha me mudado e a casa dela ficava a caminho da minha.Ela respirou e disse ok, se desculpou novamente e perguntou como iriamos volta para casa. Olhei ao nosso redor e a única coisa que via era uma cabine , um musico de rua tocando musica triste e o céu repleto de nuvens negras. Havia poucas escolhas e nenhuma ideia. Fomos até o musico que estava no final do terminal ao chegar conseguir ouvir melhor a musica que o tal musico tocava. Era alguma versão acústica de jazz, lembrei disso pois toda garota branca adorava.
Apos finalizar sua ultima canção ele olhou para nos e deu um sorriso , perguntou se tínhamos gostado. Falamos que sim e ele sorriu mais uma vez ele sorriu, então perguntamos se ele conhecia alguma maneira de conseguir chegar em casa.Olhando para o céu ele diz que a única coisa que poderíamos fazer seria esperar a chuva passar ate o amanhecer. Bom pela cara de clara esperar não seria uma opção nos despedimos do musico e voltamos a entrada.
Ao chegar, só conseguia notar as nuvens carregadas e o som alto dos raios poucos carros passavam na rua e não vi nenhuma pessoa. Clara começou a andar pela chuva em uma direção e não parou nem mesmo comigo gritando o seu nome. Coloquei minha mochila em cima da cabeça e corri em sua direção toquei em seu ombro e ela continuo. Eu a empurrei levemente para debaixo da fachada de uma loja onde a água não nos tocava, por um instante não conseguia ouvir som algum tudo se silenciou e o tempo parou. Ela olhou em meus olhos e eu tenho total certeza que algo acontecia em seus olhos parecia a explosão de duas estrelas. A queda d'água ao nosso lado junto com a luz do porte fizeram um cenário digno de qualquer filme. Com um pequeno toque no meu peito ela olhou para o lado e se inclinou e falou que poderíamos ir andando ate a parada de trem. Achei loucura mas não disse nada apenas queria ficar mais um pouco do seu lado. Sem falar mais nada ela saiu andando.
Busquei conversar com clara para acalma-la, logo a perguntei como estava no trabalho e na vida. Me respondeu rapidamente enquanto encarava a calçada que tudo andava bem, na verdade tudo estava finalmente se arrumando em sua vida. Eu fiquei feliz por ela, mas ao mesmo tempo la no fundo do meu ser ... eu estava triste. Sera que era tão fácil assim me esquecer ? . Ela começou a falar dos seu últimos dias e como tinha sido incrível viajar para distrito federal que inclusive foi o pivô da nossa separação. Para ser mais sincero só estávamos esperando uma faísca para a explosão do nosso relacionamento. Clara contava com detalhes sua viagem, eu sorria como sempre e não dizia nada. Tivemos que caminhar na chuva pois já não havia mais como nos protegermos com as fachadas das lojas. Eu estava molhado e animado , não imaginei que nos dois voltaríamos a conversar novamente. Fomos caminhando e a chuva aumentando chegamos a um ponto que a água estava passando dos nossos joelhos.
Porem não nos abalamos continuamos andando, clara parou para ajudar um filhote de gato que a correnteza da água acumulada o levava. Começamos a falar do passado e por acaso clara dizia a saudade que sentia do começo do nosso relacionamento. Lembramos como começamos a sair e como tudo aquilo era divertido até que por algum motivo , quem sabe em um domingo qualquer, nos perdemos em sofares ao invés de praças ou bares. O cotidiano nos matou e nos nem havíamos percebido. Depois que a perdi foi que eu entendi que ela gostaria de sair mais talvez eu só podia ser amado se adicionasse algo interessante a noite. Mas ela esta ali comigo , havíamos nos encontrado por acaso . Acho que se não fosse ali o destino teria dado a sua maneira de nos da essa ultima chance a nossa historia.
Andamos e andamos mais um pouco, a chuva já estava insuportável , resolvemos descansar um pouco em uma parada de ônibus. Sentamos no banco , por pouco tempo , estava geladíssimo praticamente pulamos de la. Riamos juntos e nos abraçamos . O clima estava frio e o corpo dela me aquecia mesmo com toda sua roupa molhada. O céu foi pintado de cinza, da rua víamos a pintura mais linda. As buzinas dos pouquíssimos carros que ainda rodavam silenciaram, A única coisa que escutamos era o som da água batendo no telhado da parada. As ruas ruas de asfalto foram substituídos por buracos inundados. Do lado dela não existia tempo e espaço, não existia logica e nem mais duvidas. Ela me perguntou se o melhor seria voltar a andar ou ficar, sinceramente gostaria de ficar naquele lugar, e ate a chuva passar aproveitar o abraço dela. Mas resolvi partir não havia necessidade daquilo , já estava um pouco mais tranquilo de andar e estávamos chegando ao trem.
Voltamos a caminhar , A garota irritada já havia se transformado na velha clara de sempre. Sorria e reclamava da vida , falava de politica , contou sobre suas novas teorias e recitava seus poemas do dia. Finalmente chegamos a estação de trem, tinha alguns grupos de pessoas mas só eu e ela que estávamos encharcados . Me sentei no banco do trem e clara se deitou em meu colo, enquanto ela analisava as pessoas a nossa volta eu mexia em sua juba , quando ela sorria eu também sorria. Mas ao passar do tempo clara se calou e ficou em transe olhando para o teto . Quando a chamei ela se virou e acho que dormiu ou apenas fechou os olhos , continue mexendo em seu cabelo encaracolado . Antes da viagem acabar ela pegou minha mão e segurou firme , Até o trem parar. Quando chegamos ela se levantou e eu também ela colocou seus braços em volta da minha cintura e fomos andando, quanto mais nos aproximávamos de sua casa e apertava mais um pouco. Quando chegamos ainda chovia e esta bastante frio. Ela se aproximou mais um pouco olhou em meus olhos e sorrio, Olhou para meus lábios e eu olhei para os dela e quase que naturalmente nos beijamos. E por alguns instantes estava feliz novamente e nada e ninguém no universo conseguiria mudar isso.
Era 22:48 da noite a chuva me congelava o beijo dela me queimava, nunca conseguirei esquecer esta data e hora pois ainda estou preso nela de certa forma. Consigo me lembrar perfeitamente do momento em que nos separamos, vejo tudo em câmera lenta , reparo em seu caso cinza molhado que dava uma aparência de pesado . Olho para a luz do porte, parecia um amarelo ou alguma cor meio alaranjada. Gotas passavam por sua luz e me fazia imaginar em chuva de meteoros, Olhei para os olhos de clara e reparo como se parecem com um universo se expandindo. Tudo naquele momento era lindo. Ate que olho para o apartamento dela no segundo andar e consigo ver um rapaz em sua varanda , não da para ver detalhes pois ainda chove um pouco. Mas conseguia ver que havia rapaz e um jantar a luz de velas em sua varanda lhe esperando voltar . Clara sabia o que eu tinha visto e não falou nada , apenas olhou para mim e depois lentamente foi abaixando sua cabeça virou-se e começou a andar um pouco mais rápida . Entrou no prédio e antes de fechar a porta olhou em minha direção mais uma vez, sinceramente não sabia o que fazer , só continue la na chuva olhando para cima. Eu estava molhado e desanimado.
submitted by eddwmv to u/eddwmv [link] [comments]


2020.11.15 00:02 eddwmv Noite chuvosa

Dia 22 as 18 horas, A placa alertava: noite chuvosa. Seria ótimo para lavar a alma depois de uma semana tão triste. No trabalho estava no meu limite, Não havia para onde correr, nem mesmo a meu relacionamento, que a dias não existe. Corpo cansado, coração fadado ao fracasso. Penso em tudo isso enquanto olho para baixo e encaro o meu sapato. Faço manobras da calçada para o asfalto, tentando sair do congestionamento humano. Ate que fui acordado do meu transe cotidiano com as gotas de chuva batendo em meu rosto.
As pessoas corriam e se escondiam da chuva, uma tempestade se formava. Eu continue andando e procurando um lugar para aguardar a chuva passar, logo encontrei um abrigo em frete a uma floricultura. Esperei e Esperei, todos a minha voltas foram embora no meio de toda aquela chuva e eu continuei a esperar. Já era 18:48 e parecia que a tempestade não teria um final. Quando fui pegar o ônibus e me surpreendi quando vi a multidão no terminal, mais do que o normal foi algo tão surreal. Pessoas brigando e se empurrando para entrarem. Novamente eu esperei a multidão dispersar naquela noite por acaso não estava apressado a chegar em casa. Pouco a pouco a multidão foi dispersando e por "coincidência" os ônibus acabando. Olhei ao meu redor com a esperança do meu ônibus ser o próximo a chegar, mas antes mesmo que eu criasse alguma expectativa eu olhei para o lado e vi ela, Clara, novamente por coincidência do destino no mesmo momento o alto-falante informa linha 677 cancelada. Nem conseguir pensar ao menos como iria voltar para casa mas sim que clara estava ali, parada.
Havia sido um término dolorido, Ambos haviam saído feridos. Não sabia o que fazer, seriamos amigos ou inimigos na nossa ultima conversa isso não ficou explícito. Foram poucos segundos mas tantos pensamentos. Me sinto inseguro mas ao mesmo tempo enfrentaria o mundo. Por um impulso de coragem eu fui em direção a ela, As pernas travaram porem não teria como eu parar agora, Era tudo ou nada. Ao chegar a certa de dois metros de distância ela olhou em minha direção e por minha surpresa ela não demonstrou nenhuma reação, Apenas disse um ola seco e sorriu, logo apos me abraçou de forma gentil.
Ela esta nervosa mas parecia não ser por minha causa, praticamente não se importava com o que acontecia ao seu redor naquele momento. Então eu perguntei o que a afligia, um pouco preocupada ela pediu desculpas por seu comportamento e disse que havia um compromisso naquela noite e não poderia perde-lo por nada. Porem os ônibus estavam lotados e sair de lá andando no meio de uma tempestade não parecia ser nada fácil.
Angustiada mexia de um lado para o outro o seu anel. Fiquei preocupado nunca havia lhe visto tão estranha, olhava de um lado para o outro como se esperasse que o universo a ajudasse. Acho que de alguma maneira o universo ajudou , me colocando no meio de seu caminho. Não havia mais ônibus e nem taxi , todo mundo já estava em direção a suas casas menos ela e eu. Ainda sem saber muito o que fazer para ajuda-la dei a ideia que fossemos no balcão de informações que estava bem próximo de nós, Acenou com a cabeça e fomos em direção .Neste pequeno percurso de poucos segundos não deu para não notar como ela estava triste. Ela não era assim , pois é a mais engraçada dos amigos, Sempre tem um sorriso mesmo que seja escondido.
Ao chegar no balcão notei que era uma pequena cabine, tao pequena que imaginei como seria respirar dentro de um lugar como este. Dentro havia um rapaz simpático com um sorriso de ponta a ponta. Ele nos disse boa noite e perguntou como poderíamos nos ajudar ,antes mesmo do moço terminar de falar clara já tinha lhe interrompia e disse que teria que volta para a Iracema antes das 23 horas. Mas antes dela especificar, O moço deu o troco em clara e não a deixou terminar a frase dizendo que não havia ônibus disponível por conta da grande chuva. Ela sofreu uma mudança repentina de comportamento, estava brava e não se parecia mais aquela moça que eu tanto conhecia. Eu retirei clara da vidraça empoeirada da cabine enquanto ela batia bruscamente nela e xingava o rapaz que não a respondia, Apenas sorria.
Já um pouco distante coloquei-a no chão e a perguntei o que estava acontecendo de fato, ainda um pouco nervosa ela abaixou a cabeça respirou e me perguntou porque eu estava tentando ajuda-la ,que não devia nada a ela e assim poderia esquecer e ir embora. Mesmo ainda sem entender o que se passava eu disse a ela que também gostaria de volta para casa , que tinha me mudado e a casa dela ficava a caminho da minha.Ela respirou e disse ok, se desculpou novamente e perguntou como iriamos volta para casa. Olhei ao nosso redor e a única coisa que via era uma cabine , um musico de rua tocando musica triste e o céu repleto de nuvens negras. Havia poucas escolhas e nenhuma ideia. Fomos até o musico que estava no final do terminal ao chegar conseguir ouvir melhor a musica que o tal musico tocava. Era alguma versão acústica de jazz, lembrei disso pois toda garota branca adorava.
Apos finalizar sua ultima canção ele olhou para nos e deu um sorriso , perguntou se tínhamos gostado. Falamos que sim e ele sorriu mais uma vez ele sorriu, então perguntamos se ele conhecia alguma maneira de conseguir chegar em casa.Olhando para o céu ele diz que a única coisa que poderíamos fazer seria esperar a chuva passar ate o amanhecer. Bom pela cara de clara esperar não seria uma opção nos despedimos do musico e voltamos a entrada.
Ao chegar, só conseguia notar as nuvens carregadas e o som alto dos raios poucos carros passavam na rua e não vi nenhuma pessoa. Clara começou a andar pela chuva em uma direção e não parou nem mesmo comigo gritando o seu nome. Coloquei minha mochila em cima da cabeça e corri em sua direção toquei em seu ombro e ela continuo. Eu a empurrei levemente para debaixo da fachada de uma loja onde a água não nos tocava, por um instante não conseguia ouvir som algum tudo se silenciou e o tempo parou. Ela olhou em meus olhos e eu tenho total certeza que algo acontecia em seus olhos parecia a explosão de duas estrelas. A queda d'água ao nosso lado junto com a luz do porte fizeram um cenário digno de qualquer filme. Com um pequeno toque no meu peito ela olhou para o lado e se inclinou e falou que poderíamos ir andando ate a parada de trem. Achei loucura mas não disse nada apenas queria ficar mais um pouco do seu lado. Sem falar mais nada ela saiu andando.
Busquei conversar com clara para acalma-la, logo a perguntei como estava no trabalho e na vida. Me respondeu rapidamente enquanto encarava a calçada que tudo andava bem, na verdade tudo estava finalmente se arrumando em sua vida. Eu fiquei feliz por ela, mas ao mesmo tempo la no fundo do meu ser ... eu estava triste. Sera que era tão fácil assim me esquecer ? . Ela começou a falar dos seu últimos dias e como tinha sido incrível viajar para distrito federal que inclusive foi o pivô da nossa separação. Para ser mais sincero só estávamos esperando uma faísca para a explosão do nosso relacionamento. Clara contava com detalhes sua viagem, eu sorria como sempre e não dizia nada. Tivemos que caminhar na chuva pois já não havia mais como nos protegermos com as fachadas das lojas. Eu estava molhado e animado , não imaginei que nos dois voltaríamos a conversar novamente. Fomos caminhando e a chuva aumentando chegamos a um ponto que a água estava passando dos nossos joelhos.
Porem não nos abalamos continuamos andando, clara parou para ajudar um filhote de gato que a correnteza da água acumulada o levava. Começamos a falar do passado e por acaso clara dizia a saudade que sentia do começo do nosso relacionamento. Lembramos como começamos a sair e como tudo aquilo era divertido até que por algum motivo , quem sabe em um domingo qualquer, nos perdemos em sofares ao invés de praças ou bares. O cotidiano nos matou e nos nem havíamos percebido. Depois que a perdi foi que eu entendi que ela gostaria de sair mais talvez eu só podia ser amado se adicionasse algo interessante a noite. Mas ela esta ali comigo , havíamos nos encontrado por acaso . Acho que se não fosse ali o destino teria dado a sua maneira de nos da essa ultima chance a nossa historia.
Andamos e andamos mais um pouco, a chuva já estava insuportável , resolvemos descansar um pouco em uma parada de ônibus. Sentamos no banco , por pouco tempo , estava geladíssimo praticamente pulamos de la. Riamos juntos e nos abraçamos . O clima estava frio e o corpo dela me aquecia mesmo com toda sua roupa molhada. O céu foi pintado de cinza, da rua víamos a pintura mais linda. As buzinas dos pouquíssimos carros que ainda rodavam silenciaram, A única coisa que escutamos era o som da água batendo no telhado da parada. As ruas ruas de asfalto foram substituídos por buracos inundados. Do lado dela não existia tempo e espaço, não existia logica e nem mais duvidas. Ela me perguntou se o melhor seria voltar a andar ou ficar, sinceramente gostaria de ficar naquele lugar, e ate a chuva passar aproveitar o abraço dela. Mas resolvi partir não havia necessidade daquilo , já estava um pouco mais tranquilo de andar e estávamos chegando ao trem.
Voltamos a caminhar , A garota irritada já havia se transformado na velha clara de sempre. Sorria e reclamava da vida , falava de politica , contou sobre suas novas teorias e recitava seus poemas do dia. Finalmente chegamos a estação de trem, tinha alguns grupos de pessoas mas só eu e ela que estávamos encharcados . Me sentei no banco do trem e clara se deitou em meu colo, enquanto ela analisava as pessoas a nossa volta eu mexia em sua juba , quando ela sorria eu também sorria. Mas ao passar do tempo clara se calou e ficou em transe olhando para o teto . Quando a chamei ela se virou e acho que dormiu ou apenas fechou os olhos , continue mexendo em seu cabelo encaracolado . Antes da viagem acabar ela pegou minha mão e segurou firme , Até o trem parar. Quando chegamos ela se levantou e eu também ela colocou seus braços em volta da minha cintura e fomos andando, quanto mais nos aproximávamos de sua casa e apertava mais um pouco. Quando chegamos ainda chovia e esta bastante frio. Ela se aproximou mais um pouco olhou em meus olhos e sorrio, Olhou para meus lábios e eu olhei para os dela e quase que naturalmente nos beijamos. E por alguns instantes estava feliz novamente e nada e ninguém no universo conseguiria mudar isso.
Era 22:48 da noite a chuva me congelava o beijo dela me queimava, nunca conseguirei esquecer esta data e hora pois ainda estou preso nela de certa forma. Consigo me lembrar perfeitamente do momento em que nos separamos, vejo tudo em câmera lenta , reparo em seu caso cinza molhado que dava uma aparência de pesado . Olho para a luz do porte, parecia um amarelo ou alguma cor meio alaranjada. Gotas passavam por sua luz e me fazia imaginar em chuva de meteoros, Olhei para os olhos de clara e reparo como se parecem com um universo se expandindo. Tudo naquele momento era lindo. Ate que olho para o apartamento dela no segundo andar e consigo ver um rapaz em sua varanda , não da para ver detalhes pois ainda chove um pouco. Mas conseguia ver que havia rapaz e um jantar a luz de velas em sua varanda lhe esperando voltar . Clara sabia o que eu tinha visto e não falou nada , apenas olhou para mim e depois lentamente foi abaixando sua cabeça virou-se e começou a andar um pouco mais rápida . Entrou no prédio e antes de fechar a porta olhou em minha direção mais uma vez, sinceramente não sabia o que fazer , só continue la na chuva olhando para cima. Eu estava molhado e desanimado.
submitted by eddwmv to u/eddwmv [link] [comments]


2020.11.13 22:42 bobmonofree De acordo com nova política, a partir de 01/06/2021 a Google pode excluir arquivos que estiverem em serviços que o usuário não usa há mais de dois anos, bem como conteúdo que estiver há dois anos ultrapassando o limite contratado.

Dia 11 de novembro a Google soltou uma atualização dos termos de uso do armazenamento na Google Account.
De acordo com o novo termo a Google diz que pode (não que vai) excluir arquivos do "Gmail, Drive (incluindo Google Docs, Sheets, Slides, Drawings, Forms e arquivos do Jamboard) e/ou Photos" [tradução minha] em que o usuário estiver inativo por mais de dois anos (basicamente sem acessar aquele serviço), bem como excluir os arquivos que estejam excedendo, há dois anos, o limite contratado pelo usuário naqueles mesmos serviços (acredito que isso possa acontecer quando você assina um plano de 100 GB, por exemplo, coloca lá, digamos, 87 GB, e deixa de pagaassinar aquele plano de 100 GB, voltando assim pro limite original e gratuito de 15 GB; o termo dá a entender que a exclusão só se daria depois que passasse dois anos que aquilo tá excedendo o limite).
Ambas as medidas passam a valer a partir de 01 de junho de 2021.
Ainda de acordo com o termo a Google vai avisar o usuário por email e notificações antes de deletar o conteúdo.
Finalmente, uma forma que o próprio termo diz para evitar que os arquivos sejam deletados é simplesmente acessar periodicamente o Gmail, Drive e Photos (todos e quaisquer serviços onde você tenha algo armazenado), seja pelos apps, seja pela versão web no navegador (lembrando de estar logado na sua conta e com conexão à internet pra ele efetivamente detectar que você entrou lá).
Outra coisa que consta nesse termo atualizado é que a partir de 01/06/2020 qualquer nova foto ou vídeo passará a contar no limite de armazenamento do usuário, e não apenas os arquivos upados com a qualidade "original". Até então o usuário do Google Photos podia (na verdade ainda pode, considerando que o termo ainda não está em vigor) optar por upar fotos e vídeos em "alta qualidade" (é um modo no qual fotos são compactadas, fotos com mais de 16 MP são redimensionadas para 16 MP e vídeos com mais de 1080p são redimensionados para 1080p; há também algum processamento pra reduzir o espaço ocupado por estes arquivos [mas pelo que vi num comparativo a diferença de qualidade é praticamente nula]) sem contar contra o seu limite de armazenamento (ou seja, você podia ter o plano gratuito de 15 GB e ter lá 200 GB de fotos e vídeos sem afetar seus 15 GB [caso tivesse optado pelo upload em "high quality"]). As fotos que já estavam lá sem consumir a cota do usuário continuarão lá e sem consumir a cota.
Sei que ainda tem tempo até lá, mas é bom já ficar esperto. Quando estivermos nos aproximando da data em que essa medida começará a valer imagino que portais de tecnologia começarão a noticiar mais isso, mas é bom já ficar esperto. E pra quem quiser, coloca aí o robozinho do Reddit pra te lembrar: RemindMe! 31 May 2021.
submitted by bobmonofree to brasilivre [link] [comments]


2020.11.13 22:42 bobmonofree De acordo com nova política, a partir de 01/06/2021 a Google pode excluir arquivos que estiverem em serviços que o usuário não usa há mais de dois anos, bem como conteúdo que estiver há dois anos ultrapassando o limite contratado.

Dia 11 de novembro a Google soltou uma atualização dos termos de uso do armazenamento na Google Account.
De acordo com o novo termo a Google diz que pode (não que vai) excluir arquivos do "Gmail, Drive (incluindo Google Docs, Sheets, Slides, Drawings, Forms e arquivos do Jamboard) e/ou Photos" [tradução minha] em que o usuário estiver inativo por mais de dois anos (basicamente sem acessar aquele serviço), bem como excluir os arquivos que estejam excedendo, há dois anos, o limite contratado pelo usuário naqueles mesmos serviços (acredito que isso possa acontecer quando você assina um plano de 100 GB, por exemplo, coloca lá, digamos, 87 GB, e deixa de pagaassinar aquele plano de 100 GB, voltando assim pro limite original e gratuito de 15 GB; o termo dá a entender que a exclusão só se daria depois que passasse dois anos que aquilo tá excedendo o limite).
Ambas as medidas passam a valer a partir de 01 de junho de 2021.
Ainda de acordo com o termo a Google vai avisar o usuário por email e notificações antes de deletar o conteúdo.
Finalmente, uma forma que o próprio termo diz para evitar que os arquivos sejam deletados é simplesmente acessar periodicamente o Gmail, Drive e Photos (todos e quaisquer serviços onde você tenha algo armazenado), seja pelos apps, seja pela versão web no navegador (lembrando de estar logado na sua conta e com conexão à internet pra ele efetivamente detectar que você entrou lá).
Outra coisa que consta nesse termo atualizado é que a partir de 01/06/2020 qualquer nova foto ou vídeo passará a contar no limite de armazenamento do usuário, e não apenas os arquivos upados com a qualidade "original". Até então o usuário do Google Photos podia (na verdade ainda pode, considerando que o termo ainda não está em vigor) optar por upar fotos e vídeos em "alta qualidade" (é um modo no qual fotos são compactadas, fotos com mais de 16 MP são redimensionadas para 16 MP e vídeos com mais de 1080p são redimensionados para 1080p; há também algum processamento pra reduzir o espaço ocupado por estes arquivos [mas pelo que vi num comparativo a diferença de qualidade é praticamente nula]) sem contar contra o seu limite de armazenamento (ou seja, você podia ter o plano gratuito de 15 GB e ter lá 200 GB de fotos e vídeos sem afetar seus 15 GB [caso tivesse optado pelo upload em "high quality"]). As fotos que já estavam lá sem consumir a cota do usuário continuarão lá e sem consumir a cota.
Sei que ainda tem tempo até lá, mas é bom já ficar esperto. Quando estivermos nos aproximando da data em que essa medida começará a valer imagino que portais de tecnologia começarão a noticiar mais isso, mas é bom já ficar esperto. E pra quem quiser, coloca aí o robozinho do Reddit pra te lembrar: RemindMe! 31 May 2021.
submitted by bobmonofree to brasil [link] [comments]


2020.11.13 21:05 AdsonLeo [Encontro Miojo] Trabalhando Como um Condenado (3º level, D&D 5e)

Mais um encontro para utilizarem e se inspirarem. Como sempre, está também no blog.
Sexta-feira 13, Encontro Miojo de número 13. Nem se fosse combinado poderia dar tão certo!
Hoje é dia de preparar os perigos que aventureiros enfrentarão neste final de semana. Apesar da data o encontro não é de terror. Se estiver de olho num desses recomendo No Escuro a Dor Tem Mais Sabor, encontro que com certeza deixará todos de cabelo em pé, ou o monstro Inquisidor Cata-Alma, que pode inspirar sinistras aventuras.
Para este teremos duergar! Caminhando numa linha tênue entre aliado e inimigo, essas criaturas conscientes e organizadas servem propósitos maravilhosos em nossas campanhas.
Suas culturas distintas da norma estabelecida na maioria dos cenários, e também da nossa própria, nos dão a oportunidade de explorar zonas interpretativas curiosas e desafiadoras. Aproveite esse tipo de encontro para fazer com que jogadores e personagens questionem seu próprio comportamento e a fonte deles. Afinal, o que fazemos e pensamos é fruto da nossa cultura, independente de termos ou não consciência disso.
Este encontro é um desafio considerável para um grupo de 4 personagens no level 3. Nomes em negrito se referem a criaturas encontradas em material de D&D 5ª edição e serão seguidos por uma notação entre parênteses com o nome do livro e página em que se encontram.

Ganchos de História

Algumas sugestões que alteram pontos chave do texto mas podem ser interessantes para você:

Resumo

Os personagens se encontram com um grupo de duergar no meio de uma sessão de tortura. Acompanhados por um duergar hammerer, sinistra máquina de minerar, eles se divertem com o sofrimento da criatura aprisionada dentro dela.
Descobre-se que a caravana é composta de mercadores e que, apesar de justificada, a punição aplicada é justiça feita pelas próprias mãos. A dupla de anões está disposta e conversar, mas possuem seus próprios limites.

Os Envolvidos

📷 Dois duergar (Monster Manual, 122), acompanhados de três male steeder (Mordenkainen's Tome of Foes, 238) que eles usam para transportar mercadoria, observam com contentamento a máquina a frente deles. Esta, uma duergar hammerer (MTF, 188), se movimenta para lá e para cá, quebrando pedras e as levantando e depositando novamente no chão. Este trabalho não serve função alguma, a não ser causar dor na criatura aprisionada dentro do construto e satisfazer os demais.
Todos presentes, incluindo o prisioneiro, formavam uma caravana mercante. Eles viajavam pelas cavernas do Underdark trocando, comprando e vendendo toda sorte de coisa. A última carga envolvia o duergar hammerer citado. O torturado teve a brilhante ideia de tentar roubar para si o construto e vender depois, dinheiro que valeria seu emprego de entregador.
Os torturadores o pegaram no ato e agora mostram um pouco da disciplina duergar para ele. Se aproveitando do propósito macabro da máquina - tirar energia da dor e sofrimento do aprisionado - decidiram dar uma lição ali e agora.

Desenvolvimento

Se perceberem a aproximação de estranhos os dois duergar fora do hammerer ficam em alerta mas não hostis inicialmente. Como viajantes mercadores ele estão acostumados com compradores esporádicos das estradas, mas também com bandidos. Eles estão dispostos a negociar qualquer tipo de mercadoria que pareça valiosa, e também possuem algumas coisas que possam interessar ao grupo (a seu critério os tipos de itens e seus valores).
Em conversa sobre o que ocorre ali eles contam tranquilamente o que aconteceu - o transporte do hammerer e a tentativa de roubo. Apesar de tortura desse tipo ser prevista em leis e etiquetas duergar, esta é aplicada por conta própria pelos mercadores e pode ser questionada. Ele são firmes em se achar no direito de aplicá-la, e não aceitam serem contrariados mais vezes, ainda mais por forasteiros e seres da superfície.
Uma das poucas formas de fazê-los parar é o argumento de que o hammerer pode ficar danificado e diminuir o valor de venda. Sob este argumento eles pensam melhor o quanto vale a pena continuar com aquilo ou não. Se achar necessário peça por um teste de Carisma (persuasão) de CD 10.
\Caso esteja usando a sugestão para* OotA, argumentar que estão ali pela Ylsa é um bom ponto a favor dos personagens, mas a dupla duergar não gosta de dedo duros\*
Eles, se continuarem desimpedidos, levam a seção de disciplina por mais alguns minutos mas não vão até o fim. Fazem a máquina parar antes do prisioneiro morrer, o algemam e amarram em um dos steeders para que seja levado de volta à cidade pra ter mais um julgamento, dessa vez dentro das leis de fato.
Se forem interrompidos de forma mais incisiva e violenta os duergar, male steeders e o duergar hammerer, comandado pelos mercadores, lutam contra o grupo ao máximo de suas capacidades, mas não até a morte. A dupla não quer perder suas vidas ou a dos steeders e nenhuma mercadoria valiosa como o hammerer. Eles interrompem a batalha se o hammerer estiver próximo de ser destruído ou qualquer uma das criaturas da caravana morrer ou for usada como refém. Nesse caso, vencidos pela força bruta, eles soltam o prisioneiro ou cumprem outras exigências do grupo de bandidos que os vandalizou.
📷

Qual Sua Defesa?

Entrando em contato com o prisioneiro, seja por telepatia, após ele ser liberto do construto ou de outra forma disponível ao grupo, é possível verificar que a história é verdadeira. Sua mente não esconde e ele não tenta se defender, preferindo ficar em silêncio e encontrar aberturas para fugir, se possível.
Se decidirem ajudar o prisioneiro ele fica estoicamente grato. Odiando profundamente os antigos colegas de trabalho, quer matá-los se estes já não estiverem mortos. Ele ainda planeja pegar o hammerer para si, talvez um steeder também, e nunca mais entrar em contato com seus antigos contratantes. Porém não se opõe se os personagens, mais bem equipados e em maior número, tiverem outros objetivos para os duergar, steeders e hammerer.

O Que Vem Depois?

  1. [OotA] Ylsa Henstak agradece o grupo que foi atrás de seus empregados e oferece moedas, ais trabalho ou companhia para a próxima cidade destino.
  2. Tudo termina bem entre o grupo e caravana. A dupla de duergar torturadores pode guiar o grupo até o próximo objetivo ou passar mais informações, tanto sobre os anões das profundezas quanto o Underdark, que possam ser úteis em interações futuras.
  3. Os personagens agrediram uma caravana mercante. As notícias se espalham rápido e sua caras ficam conhecidas. A já famosa hospitalidade duergar fica ainda melhor.
  4. Em posse de um hammerer o grupo agora precisa encontrar um jeito de transportá-lo, além de lidar com toda a atenção que este item atrai. A quem ele pertencia anteriormente?
  5. O prisioneiro, se vendo livre, persegue o grupo em busca da oportunidade perfeita para roubá-los.
  6. Um dos itens comercializados pelos anões é muito curioso, talvez até familiar para um dos personagens.
  7. Três steeders são demais para apenas dois duergar e eles não se importam em vender um. Agora o grupo tem um animal de carga, ou até uma montaria, digna do Underdark!
Gostou da aventura? Tem alguma crítica, elogio ou sugestão? Deixe um comentário! Se tiver usado alguma ideia apresentada no texto comente aí como foi, adorarei ler como tudo se deu na sua mesa. Até a próxima.
submitted by AdsonLeo to rpg_brasil [link] [comments]


2020.11.13 15:30 shrin1807 Só lê por favor.

Para contextualizar eu apenas tenho 14 anos. No início desse ano eu fui para um colégio novo, porém não foi por minha escolha, mas sim pois meu padrasto e minha mãe achavam que o "método de ensino era melhor para mim". Nos 2 meses que eu tive de aula presencial (antes da quarentena) eu não fiz nenhum amigo.
O meu padrasto falava e ainda fala que "este é o colégio mais difícil da cidade", isso não era verdade, pois a única prova que fiz presencialmente parecia prova do fundamental 1. Porém o que realmente me irrita é o fato que os professores parecem ter "medo" de dar notas baixas aos alunos que não fazem trabalhos, pois ao invés de apenas dar notas baixas aos alunos irresponsáveis eles aumentam o prazo de entrega dos trabalhos, e quando falo pro meu padrasto que essas coisas acontecem ele fala "é só ignorar", mas como que eu irei ignorar o fato de que pessoas que fazem os trabalhos um mês depois da data limite ganham a mesma nota que pessoas que deixam de ver seus amigos para fazer trabalhos? Enfim, me sinto desvalorizado.
Falando sobre amigos. Já que não fiz amigos no colégio novo a única coisa que tenho são os antigos, que não costumo falar por call com frequência, e a cada 2 meses eu consigo ir na casa de um deles, porém, sempre eles postam suas conversas longas e diárias, e seus encontros semanais. Me sinto abandonado.
E nesse ano meu padrasto colocou no meu celular um app chamado "Family link", nesse app os pais podem limitar o tempo de celular dos filhos (quando chega no horário limite o celular fica em uma tela onde você só pode fazer chamada de emergência), podem ver o histórico do celular, e podem desabilitar aplicativos (fazendo com que os filhos não consigam abri-los). Eu não entendo por que eu preciso desse aplicativo pois sou um dos melhores alunos da minha sala, e quando pergunto ao meu padrasto o motivo de eu precisar usar esse aplicativo ele fala que se não tivesse esse app eu ficaria muito tempo no celular, falando basicamente que se não fosse ELE eu não seria um bom aluno. Basicamente , ele não confia em mim (minha mãe concorda com ele então ela não confia no próprio filho). Minha mãe me pressiona para que eu vire um juiz, não ligando para o que eu quero, e minha irmã postiça me xinga, fala mal de mim, me humilha, e apenas liga para o que ela quer, e mesmo assim o meu padrasto passa a mão na cabeça dela.
Eu não sei o que eu quero, minha mãe me força a querer ser juiz. Mesmo sabendo que eu provavelmente serei outro juiz que ganha muito mas não vê sentido na vida eu finjo que isso é o que eu quero, já que quando demonstro que isso não é o que eu quero ela tenta me convencer que aquele é o melhor caminho a seguir. Meu padrasto me força a ser cristão e HOMOFÓBICO, ele LITERALMENTE SENTE NOJO DE GAY e quer que eu seja assim, minha irmã postiça apenas me humilha e fala mal de mim para os outros, a única coisa que eu realmente me sinto feliz em fazer é jogar videogame, porém sempre minha mãe e padrasto falam que eu sou viciado e que aquilo atrapalha o meu futuro.
Estou tentando fugir disso mas não consigo, já tentei conversar com eles mas não funcionou, estou com medo de meu futuro ser apenas ser "um tijolo no muro".
Se conseguirem me der dicas eu agradeceria, obrigado pela atenção.
submitted by shrin1807 to desabafos [link] [comments]


2020.10.27 22:42 StudyItAgain DIREITO PENAL: PRESCRIÇÃO (PARTE 1)

Essa matéria é grande, então vou dividir em dois ou três posts. Não sei como será o feedback. Vou adaptando as postagens, se for o caso.
.
  1. Notas introdutórias
- Material baseado principalmente em Direito Penal - Parte Geral, v. 1, 2019, do Cleber Masson.
- Esse material não tem a pretensão de esgotar o tema. Minha idéia foi só trazer os principais aspectos. Evidentemente, para maiores detalhes, recorra a livros, como o citado acima.
- Tema MUITO importante para carreiras jurídicas, especialmente MP, Magis e Defensoria.
- É um tema que costuma assustar o estudante nos primeiros contatos, mas que tem uma certa racionalidade subjacente cuja compreensão ajuda bastante. Tentei explicar de forma bem tranquila, até informal, a fim de atingir aquele que tem pouca familiaridade com esse assunto.
- A idéia que você precisa ter no primeiro contato é a seguinte: tão logo o Estado toma ciência de um fato criminoso, um cronômetro regressivo começa a contar para que aquele fato seja investigado, processado e, uma vez o agente condenado, seja executada a pena. O Estado não pode manter-se inerte (isto é: ficar parado, deixar simplesmente o tempo passar), sob pena de perder o seu direito de punir aquele agente.
  1. Localização da matéria: Direito Penal: Parte Geral: Causas de Extinção da Punibilidade: Prescrição.
  2. Natureza jurídica: causa de extinção da punibilidade (art. 107, IV, CP)
  3. Conceito: perda da pretensão punitiva ou da pretensão executória em face da inércia do Estado durante determinado tempo legalmente previsto.
    • Imprescritibilidade
- Embora a prescrição seja a regra (CF, art. 5º, XLVII, b), há crimes imprescritíveis: racismo (art. 5º, XLII) e a ação de grupos armados, civis ou militares, contra a ordem constitucional e o Estado democrático (art. 5º, XLIV).
- Prevalece que o legislador ordinário não pode criar outras hipóteses de imprescritibilidade, mas o STF tem manifestação no sentido de que poderia, sim, ser criada hipótese de imprescritibilidade pelo legislador ordinário (ver abaixo)
  1. - Prescrição x suspensão do processo por citação por edital do réu
- Primeiro: leia o art. 366, do CPP:
Art. 366. Se o acusado, citado por edital, não comparecer, nem constituir advogado, ficarão suspensos o processo e o curso do prazo prescricional, podendo o juiz determinar a produção antecipada das provas consideradas urgentes e, se for o caso, decretar prisão preventiva, nos termos do disposto no art. 312.
- A questão então é a seguinte: diante do art 366, poderia o processo ficar suspenso indefinidamente? Isso seria uma causa de imprescritibilidade?
- STJ: o processo só pode ficar suspenso pelo prazo máximo em abstrato previsto para prescrição do crime, conforme a "tabela" do art. 109, do CP. Passado esse prazo, a prescrição volta a correr. Na prática, tem-se uma prescrição dobrada
- Esse entendimento é pacífico no STJ: "S415STJ: o período de suspensão do prazo prescricional é regulado pelo máximo da pena cominada".
- STF: para a Suprema Corte, porém, a CF não veda seja indeterminado o prazo de suspensão da prescrição, não sendo hipótese de imprescritibilidade. Aliás, entende o STF que a lei ordinária poderia criar outras hipóteses (RE469.971)
I. Controle incidente de inconstitucionalidade: reserva de plenário (CF, art. 97). "Interpretação que restringe a aplicação de uma norma a alguns casos, mantendo-a com relação a outros, não se identifica com a declaração de inconstitucionalidade da norma que é a que se refere o art. 97 da Constituição.." (cf. RE 184.093, Moreira Alves, DJ 05.09.97). II. Citação por edital e revelia: suspensão do processo e do curso do prazo prescricional, por tempo indeterminado - C.Pr.Penal, art. 366, com a redação da L. 9.271/96. 1. Conforme assentou o Supremo Tribunal Federal, no julgamento da Ext. 1042, 19.12.06, Pertence, a Constituição Federal não proíbe a suspensão da prescrição, por prazo indeterminado, na hipótese do art. 366 do C.Pr.Penal. 2. A indeterminação do prazo da suspensão não constitui, a rigor, hipótese de imprescritibilidade: não impede a retomada do curso da prescrição, apenas a condiciona a um evento futuro e incerto, situação substancialmente diversa da imprescritibilidade. 3. Ademais, a Constituição Federal se limita, no art. 5º, XLII e XLIV, a excluir os crimes que enumera da incidência material das regras da prescrição, sem proibir, em tese, que a legislação ordinária criasse outras hipóteses. 4. Não cabe, nem mesmo sujeitar o período de suspensão de que trata o art. 366 do C.Pr.Penal ao tempo da prescrição em abstrato, pois, "do contrário, o que se teria, nessa hipótese, seria uma causa de interrupção, e não de suspensão." 5. RE provido, para excluir o limite temporal imposto à suspensão do curso da prescrição.
(RE 460971, Relator(a): SEPÚLVEDA PERTENCE, Primeira Turma, julgado em 13/02/2007, DJ 30-03-2007 PP-00076 EMENT VOL-02270-05 PP-00916 RMDPPP v. 3, n. 17, 2007, p. 108-113 LEXSTF v. 29, n. 346, 2007, p. 515-522)
-
- Os crimes contra a humanidade, julgados pelo Tribunal Penal Internacional, são, segundo o Estatuto de Roma, imprescritíveis. Porém, o STF considerou que essa norma não seria aplicável no Brasil, que é subscritor do tratado, por exigir lei interna (a adesão ao TPI se deu por decreto - nº4388/2002)
6. - Espécies de prescrição
- A prescrição se subdivide em dois grandes grupos - e é fundamental entendê-los: a. prescrição da pretensão punitiva; e b. prescrição da pretensão executória. A prescrição da pretensão punitiva se divide em: a. propriamente dita; b. intercorrente; e c. retroativa.
- Até o trânsito em julgado se trata de prescrição da pretensão punitiva, isto é, trata-se de "correr contra o tempo" para que o Estado obtenha um título executivo contra o réu; a partir do trânsito em julgado da sentença penal condenatória, o Estado já tem um título, então precisa "correr contra o tempo" para executar essa condenação. Logo, a partir do trânsito em julgado, em posse do título, cabe ao Estado correr contra a prescrição da pretensão executória.
- Mas... Observe que as afirmações acima precisam ser vistas com alguma reserva. Há no direito brasileiro duas peculiares formas de contagem de prazos prescricionais: uma na qual há exige apenas o trânsito em julgado para "a acusação"; e outra é retroativa. Se espera a decisão e depois se verifica o prazo dela até o marco interruptivo anterior. Assim, embora posteriores à formação do título, ainda se referem à prescrição da pretensão punitiva, não executória. É um pouco estranho e, francamente, a prescrição correr sem que o título possa ser executado (ou seja: prescrição sem inércia do titular da acusação...) é nada mais nada menos que absoluto nonsense jurídico. Não importa. Veremos mais abaixo como tudo funciona.
7. Quem declara a prescrição?
- Prescrição Pretensão Punitiva (PPP): o magistrado que estiver encarregado da ação penal (juiz/desembargadoministro, conforme onde esteja o processo). Na prática o julgador irá aplicar o art. 395, II, do CPP - rejeição da denúncia - ou, se a ação já estiver em curso, declarar extinta a punibilidade fundamentando no art. 109, do Código Penal conjugado com a pena do crime. Repare que aqui não há título condenatório, de modo que o reconhecimento da prescrição irá apagar todos os efeitos de eventual condenação, penais ou extrapenais.
- Sobre os efeitos fica mais claro se você imaginar o seguinte: o réu é processado e condenado em primeira instância: pena de 10 anos de reclusão + indenização fixada em 100 mil reais - valor mínimo. Essa sentença poderá, se transitar em julgado, ser levada ao cível para liquidação de valores maiores de reparação, por exemplo. Porém, o réu recorre e em segunda instância é reconhecida a prescrição. Ora, assim, ele não só terá apagado os efeitos primários - não terá que cumprir pena privativa de liberdade-, como o título penal não poderá ser executado no juízo cível para indenização dos danos morais e materiais, nem o mínimo fixado na sentença, nem outros derivados daquela sentença penal.
- Prescrição da pretensão executória (PPE): juízo da execução, em decisão sujeita a agravo em execução, sem efeito suspensivo. Repare agora que aqui temos um título condenatório, o agente foi considerado culpado, mas o Estado simplesmente perdeu a oportunidade de executar a pena, logo, o reconhecimento da prescrição somente irá apagar os efeitos primários da sentença condenatória (pena), mantendo-se os demais. Como o título condenatório foi apagado, ele não será, por exemplo, reincidente ou portador de maus antecedentes.
- Sobre os efeitos: aqui temos uma sentença que reconheceu o direito do Estado de punir o agente. Porém, dada a inércia da acusação, a pena não mais poderá ser executada. Perceba que somente a execução será prejudicada (logo, nao se poderá cumprir o efeito principal da condenação, que é a aplicação da pena privativa de liberdade, em nosso exemplo), mas os efeitos secundários são mantidos (ele continua reincidente, o título ainda pode ser levado ao juízo cível etc.)
8. Prescrição da Pena Privativa de Liberdade
- Art. 109, caput, CP.
- Como não há trânsito em julgado, ou seja, não foi fixada ainda uma pena em concreto, deve-se considerar o máximo possível da pena a ser aplicada e jogar nas referências do art. 109, do CP.
- A pena de multa prescreve em 2 anos.
- O art. 28, da LDrogas (porte para uso pessoal) prescreve em 2 anos.
- Curiosidade: a pena de morte, possível em tese no Brasil, prescreve em 30 anos (art. 5º, XLVII cc 125, I, CPM).
- A pena máxima é calculada não considerando as circunstâncias judiciais e, em regra, as agravantes e atenuantes, pois estas não podem levar a pena acima do máximo legal ou abaixo do mínimo, com duas exceções, que devem ser consideradas no cálculo: menoridade relativa (21 anos, na data do fato) e senilidade 70 anos (na data da sentença). Ambas reduzem o prazo prescricional pela metade e, assim, obviamente, devem ser consideradas.
- Alguns entendimentos do STF:
- Sentença na lei = decisão (sentença ou acórdão), se a. o agente houver sido julgado originariamente por colegiado (réus com prerrogativa de foro em tribunal); b. reforma da sentença absolutória em julgamento de recurso para condenar o réu; e c. substituição do decreto condenatório em sede de recurso no qual foi reformada parcialmente a sentença.
- O réu foi condenado antes do 70, mas antes do trânsito em julgado atingiu essa idade: não aplica o redutor.
- Mas... réu condenado aos 69, mas a decisão só foi publicada um tempo depois e nesse período ele completou 70 anos: aplica o redutor.
- Causas de aumento e diminuição são consideradas, pois podem tanto reduzir a pena abaixo do mínimo, quanto elevá-la acima do máximo. Deve-se buscar a maior pena em tese possível. Logo, deve-se aplicar o redutor da causa de diminuição no mínimo (ex. tentativa redução de 1 a 2/3: reduz em 1/3) e a causa de aumento no máximo (ex. aumento de 1/3 à 1/2: aplica a metade).
submitted by StudyItAgain to direito [link] [comments]


2020.10.24 07:41 LoseKiller Novidades da Semana! Quest da mona (rank 38) e evento do comerciante Liben!

Novidades da Semana! Quest da mona (rank 38) e evento do comerciante Liben!
No breve post de hoje trago novidades da próxima semana (digo próxima semana mas ambos serão liberados às 17:00 do domingo)
Quest da mona: https://genshin.mihoyo.com/en/news/detail/6064
**Data de início: -Disponível após 26/10/2020 04:00:00 (UTC +8) ou 25/10/2020 17:00:00 no horário de Brasília, sem limite de tempo
**Critérios de Desbloqueio: -Quest da História do Rank de Aventura 26 Completa -Rank de Aventura 38 ou superior e ter concluído a quest do Diluc "Álibi do Herói Obscuro" -1 Chave de Lendas (8 tarefas diárias)

Evento do comerciante Liben (Mercadorias Maravilhosas): https://genshin.mihoyo.com/en/news/detail/6066
O evento Mercadoria Maravilhosa está disponível por um tempo limitado e as missões correspondentes foram adicionadas ao Battle Pass. Conclua-as para reivindicar o BattlePass EP (BEP). (Veja os critérios de missão específicos em Passe de Batalha> Missões> Período Atual do PB). Os viajantes podem preencher os pedidos do comerciante Liben para receber uma chance de abrir uma Caixa das Maravilhas.
**Data de Início: -Disponível após 26/10/2020 04:00:00 - 02/11/2020 3:59:59 (UTC +8) ou 25/10/2020 17:00:00 - 01/11/2020 16:59:59 no horário de Brasília
**Elegibilidade: -Rank de Aventura 12 ou superior
**Detalhes do evento: -Durante o evento, os viajantes podem seguir dicas em Teyvat para encontrar um comerciante conhecido como Liben. Depois de descobrir seu paradeiro, os viajantes podem entregar os materiais necessários a ele em troca da chance de abrir uma Caixa das Maravilhas e reivindicar suas recompensas. --Liben aparecerá em vários locais em Teyvat durante o período do evento. --Liben oferecerá aos Viajantes um total de 7 caixas das Maravilhas diferentes. Cada caixa só pode ser obtida uma vez. --Os viajantes só podem ganhar 1 chance por dia de abrir uma Caixa das Maravilhas. Se a chance de abrir um caixa do dia não for utilizada, ela ficará disponível até o final do evento. Se necessário, os viajantes podem usar todas as suas chances de uma vez a qualquer momento antes do término do evento. --Quando o evento acabar, todas as caixas não utilizadas serão perdidas. Não se esqueçam de utilizá-las para recolher suas recompensas antes da finalização!!
https://preview.redd.it/95ty0ezldzu51.jpg?width=1350&format=pjpg&auto=webp&s=b07969efd5c4f3bed0965a4863f6ba56c4c1ec23
submitted by LoseKiller to GenshinImpactBR [link] [comments]


2020.10.21 17:01 kokeboka Debate sobre o projecto eleitoral: João Noronha Lopes

No seguimento do post de ontem sobre o programa de BCC, publico hoje uma síntese do programa de JNL.
JOÃO NORONHA LOPES
Site da candidatura
Entrevista ao Benfica Independente
Sobre o candidato: João Noronha Lopes (JNL) é um sócio do Benfica, natural do Alentejo. Tem formação em Direito, mas fez a maioria do seu percurso profissional como gestor vice-presidente para a Europa na McDonalds - o que o levou a residir no estrangeiro durante vários anos. Já tinha integrado a direcção de Manuel Vilarinho num papel jurídico - recorda com grande respeito e admiração a oportunidade de colaborar com Vilarinho, mas afirma não ter tido grande contacto pessoal com Luís Filipe Vieira. Dentro dos candidatos da oposição de 2020, tem sido aquele mais capaz de angariar um número significativo de apoios de antigas glórias e figuras de renome (tais como Vitor Paneira, António Simões, Bagão Félix, Ricardo Araújo Pereira, Mozer, Isaías, Vasco Mendonça, Pedro Adão e Silva, e outros).
Projecto: O projecto de JNL (Um Benfica que Voa Mais Alto) assenta em 3 pilares e vários sub-temas...
  1. A Glória é Agora (1.A Benfica Ganhador e Europeu, 1.B Benfica Ganhador no Ecletismo);
  2. Benfica Popular e Democrático (2.A Sócios no Coração do Clube, 2.B Por um Benfica Democrático);
  3. Benfica Moderno e Transparente (3.A Posicionamento e Ambição Global da Marca Benfica, 3.B Sustentabilidade Financeira, 3.C Património e Universo Empresarial, 3.D Transparência na Governação).
Futebol: JNL defende a criação de um Director Desportivo para o futebol, que coordenará toda a estrutura do futebol, pensará um sistema de jogo para integrar de forma vertical, de forma a escolher apenas treinadores que assentem nesse modelo. Assim, o futebol não dependeria de X ou Y treinador nem de X ou Y jogador, mas sim de encontrar peças que encaixam no sistema escolhido pelo Director Desportivo. O programa também prevê a criação de um Director de Formação, e o reforço do Director de Prospecção, bem como uma aposta redobrada em Data Science aplicada à prospecção. Defende também uma redução no número de reforços, para apostar mais na qualidade. Nesse seguimento, defende a criação de um número limite para o tamanho do plantel. Defende também a expansão de mais Escolas de Futebol do Benfica em mercados internacionais. Por fim, defende que todas as equipas técnicas de todos os escalões tenham pelo menos 1 membro com um passado significativo como ex-atleta do Benfica.
Mudanças estatutárias: Limitação de mandatos presidenciais (3 no máximo). Reformulação dos votos por antiguidade, a discutir em AG (defende uma discussão em AG, não apresenta uma solução específica). Obrigatoriedade de voto em urna, com o acrescento de voto electrónico como salvaguarda para recontagens. Reduzir os anos de sócios para se ser elegível para Presidente de vinte e cinco para quinze. Reagendar o calendário das eleições, para se realizarem a menos de 3 semanas do último jogo oficial da época. Se não houver maioria absoluta à primeira, realização de eleições presidenciais a 2 voltas. Submeter quaisquer alterações ao emblema à aprovação em AG. Equiparar os direitos dos sócios correspondentes aos dos sócios efectivos.
Modalidades: Defende a estrutura de um team manager para cada modalidade, que responde a um director geral, que responde a um vice presidente para o ecletismo (não é um modelo muito diferente do actual). Defende também a clarificação nos orçamentos o valor atribuído a cada modalidade, e um reforço da prospecção para as modalidades (designadamente na formação). Pretende recuperar o Rugby, mas não considera realista para já a recuperação do ciclismo. Pretende estabelecer uma ligação mais próxima entre as equipas de modalidades e as Casas do Benfica, de maneira a reforçar o interesse e ligação com as mesmas. Defende a criação de uma secção de desporto adaptado.
Outros tópicos: JNL afirmou ser contra a centralização dos direitos televisivos, e também é a favor que as Casas continuem a ter algum poder de voto dentro do clube. De resto, o programa é extremamente extenso pelo que não cabem todas as medidas neste post sem o tornar impenetrável. Algumas das outras propostas incluem (mas não se limitam a): obrigatoriedade da BTV e jornal do Benfica transmitirem tempos de antena e debates presidenciais; criação de um código de conduta e incompatibilidades para órgãos sociais; reestabelecimento do comboio do Benfica; criação de uma Comissão de Ética; arquivo digital aberto; criação de um fundo de emergência para as Casas do Benfica; modernização do Estádio da Luz; bustos de homenagem aos campeões europeus de 61 e 62; realização de uma auditoria externa imediatamente; etc.
Receptividade para coligações com outros: Receptivo a coligações. O seu programa contem uma proposta propositadamente adoptada do programa original de Rui Gomes da Silva, e outra do Movimento Servir o Benfica, com o qual entretanto já se coligou.
submitted by kokeboka to benfica [link] [comments]


2020.09.22 03:02 RickMoraisM Imaginem que uma agência espacial descobrisse que em 20 anos a vida humana e a de outros animais entraria em extinção devido ao impacto de um gigantesco meteoro que provocaria uma drástica mudança ambiental na Terra . Seguem alguns questionamentos ...

Duas considerações antes : suponha que seria impraticável construir qualquer tecnologia que amenizasse o dano, e que não houvesse qualquer alternativa de locomoção em massa para outro planeta .
1- Você acharia ético que os cientistas que descobriram o evento o divulgassem para a mídia ?
2- Se fosse divulgado , como você acredita que as pessoas reagiriam à descoberta ao longo do tempo?
Alguns pensamentos meus sobre : 20 anos é um tempo grande na escala da vida humana . Acho que as reações iriam variar bastante a depender da fase da vida que as pessoas se encontrassem no momento da descoberta . Não que os idosos(60+) não fossem se preocupar , até porque limitar a morte para uma data fixa é mais aterrorizante do que constatar que sua vida vai provavelmente acabar antes do limite . E , além disso , praticamente todo mundo tem um conhecido a quem se tem compaixão. Não se trata apenas de saber que você vai morrer , mas que todos que amamos também vão morrer juntos . Obviamente damos uma importância maior a nós mesmos , e por isso crianças , jovens e adultos teriam um impacto psicológico maior , afinal a probabilidade de eles viverem mais 20 anos é mais alta que a de um idoso.
Eu penso que a morte por eutanásia iria crescer bastante. Provavelmente muitas barreiras éticas relacionadas à morte para aliviar um sofrimento maior seriam superadas, principalmente na proximidade do impacto. Acho que os sentimentos iriam variar muito ao longo do tempo . Nos primeiros meses haveria um grande caos , pânico e , é claro , os negacionistas tentando acalmar o povo - inclusive eles poderiam superar os cientistas na crença popular ,dada a grande dificuldade que temos em aceitar verdades inconvenientes .
Mas como o ser humano não consegue ficar nesse estado por tanto tempo ( creio eu) , aos poucos as pessoas iriam voltar à "normalidade" - como a gente enfrentando a pandemia da Covid . Claro , não seria o mesmo normal , e conforme o tempo fosse passando, a euforia voltaria a crescer , talvez exponencialmente culminando num pico de anarquia no ano do impacto .Nesse cenário penso que as pessoas iriam se arriscar mais. Elas esqueceriam muitos projetos a longo prazo e pensariam mais no presente . Pra quê trabalhar tanto para financiar uma casa cara ? Por que fazer um longo curso chato para ser rico ? O mundo poderia caminhar pra um estado de hedonismo distópico , com muitas pessoas drogadas ou viciadas em qualquer outra coisa , relacionamentos poligâmicos , e violência dos mais diversos tipos.
E quanto ao primeiro questionamento , acho que ele é válido por uma ótica utilitarista . Penso que no geral o sofrimento seria bem menor caso as pessoas simplesmente não soubessem que todas iriam morrer em 20 anos . Por outro lado , só acho ele válido por causa das considerações . Se todas as pessoas soubessem , o mundo iria se empenhar em encontrar uma solução pro problema .( Sei que esse tópico é bizarro mas me veio isso na cabeça e decidi ir digitando hahaah )
submitted by RickMoraisM to brasil [link] [comments]


2020.09.20 14:53 UninformedImmigrant U wot m8? Estórias de um gajo que se mudou para o UK [Capítulo 1: Mudanças e chegadas]

Olá amigos. No post anterior introduzi levemente o espírito desta série, e este é o primeiro capítulo "a sério" da série. Este capítulo versa sobre o processo de preparação para a mudança e o "primeiro embate" da chegada ao novo país; que assuntos tive que tratar imediatamente antes de me mudar, assim como assim que cheguei. Como tenho dito, esta experiência é pessoal, e é importante que entendam que não se aplicará certamente a todos. Riam-se, chorem, e deixem os vossos pensamentos na caixinha em baixo.
Ao longo do texto vão ver uns números entre parênteses rectos ([XXXX]). Isto são referências que estão por extenso perto do fim do post, na secção apropriadamente denominada "Referências".

Take-Aways Principais

Eu gosto de ter uns bullet points com as ideias principais que se devem reter de cada capítulo, uma espécie de "se não leres mais nada, lê isto" do capítulo. Os deste capítulo rezam assim:
Os detalhes estão no texto por aí abaixo.

A odisseia do trabalho científico em Portugal

Já alguma vez tiveram aquele sonho em que querem gritar e não conseguem? Aquela sensação quase infantil de impotência, do pavor da inacção e do pasmo em relação ao que quer que seja que se está a desenrolar à nossa frente? Ou aquele em que querem esmurrar alguém mas não acontece nada? A sensação de impotência é, pessoalmente, das piores que podemos ter; a de querermos fazer alguma coisa, acharmos que sabemos o que fazer e não conseguirmos.
Trabalhar no tecido académico e de micro-empresas português (vulgo technology transfer) é um bocadinho assim. Por mais que um gajo se esforce, é muito difícil escapar à subsidio-dependência, à chico-espertice, à mediocridade, à inexperiência, à falta de processo e, acima de tudo, à falta de recursos. Por bom que seja o sonho, por interessante que seja o projecto, por positivo que seja o ambiente de trabalho, por porreiros que sejam os colegas, há uma sensação latente de "isto não vai dar para construir uma carreira". Isto torna-se particularmente agudo quando se trabalha numa área de tecnologia de ponta, para a qual inevitavelmente o mercado português está pouco desenvolvido. Não havendo mercado, a empresa vira papa-projectos e passa a viver de fundos comunitários, QRENs, COMPETEs, H2020s e coisas que tal. O tempo que se devia gastar em desenvolvimento é gasto a tentar convencer revisores de projectos a darem-nos mais uma esmola, e todos os projectos são uma corrida ao fundo: como é que conseguimos fazer esta omelete bonita com muito poucos ovos? Será que precisamos mesmo de duas pessoas para fazer isto, não dará só uma? Certamente o equipamento X também dá para este projecto.
Um aspecto particularmente doloroso neste ambiente é a altíssima rotatividade dos colegas. Quando se trabalha nestas condições tende-se a depender de recursos precários: bolseiros de investigação, estágios IEFP, estágios profissionais, estágios académicos, e por aí fora. Isto torna imediatamente impossível treinar alguém para fazer alguma coisa de jeito, e dei por mim a ensinar 3 ou 4 pessoas a fazer a mesma coisa em ocasiões diferentes ao longo dos anos. Nunca ninguém fica e toda a gente parte para outra, seja porque a empresa não lhes pode pagar, ou porque são incompetentes demais para nos darmos ao trabalho de lhes tentar arranjar financiamento. As caras e os nomes confundem-se numa espécie de groundhog day tecnológico em que cada ano que passa temos as mesmas conversas. Um tipo que vá ficando, ora porque é bom ou porque é teimoso, vai dando por si a avançar na idade ao mesmo tempo que os colegas não. A certo ponto, todos os meus colegas eram pelo menos uns 4 ou 5 anos mais novos que eu; ora se até eu quase nem tinha barba (hipérbole), então eles estavam mais verdes que as bananas da Costa Rica quando chegam ao Continente.
Quando me perguntam porque é que os portugueses têm tendência a se dar bem lá fora, aponto-os sempre para as condições em que somos habituados a fazer trabalho world-class. As publicações a que submetemos artigos não querem saber das nossas dificuldades; querem papers de qualidade. As agências de financiamento não querem saber de rotatividade, querem saber de know-how, track record e orçamentos. O trabalho que temos que entregar para sobreviver tem que ser de topo, ao mesmo tempo que as condições são de fundo. Pega-se num tipo habituado a isto, senta-lo numa cadeira de 300€, dá-se-lhe 3 monitores e um portátil que dava para comprar um carro, e é natural que o desempenho seja incrível.
Eu não me considero um perfeccionista (e acho que quem se considera perfeccionista pensa demais de si próprio) mas procuro estar numa constante curva ascendente no que toca à qualidade do meu trabalho. Umas vezes a curva é mais inclinada, outras vezes é menos inclinada, mas a cada dia estar um bocadinho melhor que no dia anterior. Aliás, quem me conhece sabe que esse é um traço que aplico em quase tudo: no trabalho, na vida, no desporto, etc. Antes de me mudar sentia que tinha batido no tecto da qualidade do que podia entregar. O meu esforço era máximo e o factor limitador da qualidade da entrega era a forma como o trabalho que eu tinha para fazer era entregue. Não havia tempo suficiente para inovação, era preciso planear de forma irrealista (e entregar de forma irrealista) para se conseguir fazer o malabarismo de todos os projectos. A constante mudança de contexto comia horas todos os dias.
A ética de trabalho portuguesa é, geralmente, horrível. Se eu trabalhei as minhas 8h, entreguei o que tinha para entregar e não tenho horário de trabalho, então vou sair às 16h. Ou chegar às 10h. Geralmente, fazer menos que 9-19 é mal visto, e eu fui sempre muito vocal (se calhar de forma prejudicial para mim próprio) acerca do quão estúpido isso me parece. Cheguei a ouvir algo semelhante a "tu és daqueles gajos que vão de férias desaparecem do mapa". Não é esse o objectivo das férias?

Um dia destes decidi mudar-me para o UK

Então um dia desatei a mandar CVs por esse mundo fora, a ver o que colava. Inevitavelmente, apareceram-me várias ofertas interessantes, a melhor das quais no UK. Contas feitas, a oferta praticamente multiplicou o meu salário bruto por 5 (talvez um bocadinho mais), empurrando-me de um salário mediano em Portugal para um salário bastante acima da média no UK. Esta é daquelas particularidades a que me refiro quando digo que a minha experiência é extremamente pessoal: eu tive a sorte de gostar e ter talento para trabalhar nesta área, e a dupla sorte de ser uma área em que simultaneamente há muita oferta e pouca procura de trabalho. Meio ao calhas cultivei um skillset muito valioso, ou que consegui vender bem. Infelizmente, para manter esta conta dissociada da minha identidade não vos posso especificar qual é; somos poucos, tornava-se muito fácil encontrar-me pelas publicações.
Curiosamente, está agora (à data da escrita) a fazer um ano que me decidi mudar. Nessa altura, a maior preocupação de quem se mudava para o UK era o Brexit, mas houve uma série de factores que me acalmaram:
Acerca deste último: ser estrangeiro no UK ou ser em qualquer outra parte é, para mim, semelhante. Então, se o Brexit por alguma razão resultasse numa perseguição aos estrangeiros, ou numa forte desvalorização da libra, etc, a minha situação ainda assim seria melhor que antes. Teria um CV mais rico, experiência adicional na indústria, e dinheiro no banco, tudo factores que facilitariam a mudança para um país terceiro.
Portanto com os factores políticos resolvidos por ora, e com a família a apoiar, lá me decidi.
Lá vim eu.

Preparação

A preparação para a mudança dividiu-se em:
Para benefício máximo meu e das duas empresas envolvidas, decidi reservar apenas umas 3 semanas sem trabalhar para tratar de tudo. Arrependi-me profundamente: devia ter fodido uma das empresas (a velha, potencialmente) e tido mais tempo para mim e para os meus. Naturalmente, houve muito que pude fazer enquanto trabalhava, como tratar da documentação. A logística foi um pesadelo; tive que esvaziar o apartamento em 2 dias e encontrar forma de arrumar tudo o que tinha na minha casa de família. Uma boa parte ficou por fazer pois queria passar tempo com a família em vez de arrumar merda. Tive que denunciar o contrato de arrendamento, da energia, da água e das telecomunicações. Obviamente, a Vodafone foi a mais merdosa no meio disto tudo, primeiro porque queriam que pagasse a fidelização (tive que demonstrar que vinha para o estrangeiro), e depois porque queriam cobrar o equipamento apesar de o ter entregue a horas e em boas condições. Típica escumalhice de telecom portuguesa, nada de novo.
A preparação legal foi mais cuidada. Para referência, a documentação que preparei foi:
Também nomeei (por procuração) um representante legal em Portugal. Inicialmente pareceu-me overkill, e apenas o recomendaria se tiverem alguém que seja de muita, muita confiança. Mas para mim tem sido muito útil, pois essa pessoa pode-me substituir em qualquer todos os compromissos, requerer a emissão de documentação em meu nome, transaccionar os meus bens (tipo vender o carro velho) e negociar em meu nome com as telecoms quando se armam em parvas (ver Vodafone acima). A pessoa que ficou com esta responsabilidade é da minha absoluta confiança, mas mesmo assim é um compromisso que deve ser mantido debaixo de olho e apenas pelo tempo necessário.
Às tantas perguntei-me "sua besta, já pensaste em quanto dinheiro vais gastar?" Bom, através de uma combinação de salário baixo e escolhas financeiras pouco saudáveis (que reconheço mas não quero detalhar), as minhas poupanças resumiam-se a uns míseros 2000€. Amigos, 2000€ não é dinheiro nenhum. Precisava de mais. Pelas minhas contas, e porque não vinha sozinho, precisaria de cerca de 15000€ para fazer isto com algum descanso, ainda que não conforto.
Lembram-se de quando tivemos uma crise "once in a lifetime" em 2008? Aquela da qual vamos ter saudades agora em 2021? Essa mesmo. Uma consequência engraçada dessa crise foi que as pessoas se habituaram a fazer crédito ao consumo, e os bancos habituaram-se a emprestar dinheiro como quem dá cá aquela palha, já que o Estado depois os resgata e ninguém vai preso. Como sempre trabalhei, paguei os meus impostos e nunca tive dívidas, pude pedir um crédito pessoal para pagar a mudança inicial. 15k no banco, check.
Obviamente não o gastei todo, e a empresa para onde fui trabalhar devolveu-me uma esmagadora parte do que gastei através de um fundo de "relocation expenses". A empresa pagou (mas eu tive que adiantar):
Em cima disso, paguei eu:
Admito que fiz algumas escolhas controversas, e houve muito dinheiro perdido em conversão de moeda. Podia ter ficado fora da cidade enquanto procurava apartamento, podia ter comprado mobília mais barata, podia ter dormido no chão, podia ter comprado malas mais baratas, podia ter andado de comboio em vez de alugar carros quando precisei. Mudei-me de uma forma que considero "medianamente confortável": não o fiz luxuosamente, mas dei-me ao luxo de trazer a Maria, de não ter que partilhar casa e de evitar largamente transportes públicos. Com o dinheiro que a empresa me devolveu constituí um fundo de emergência. Não liquidei logo a dívida porque entendo que é mais importante ter um fundo de emergência do que estar debt-free (mais sobre isso daqui a um post ou dois).
São escolhas. Emigrar é caro, amigos. Conheço quem o tenha feito com 200€ no bolso, mas não é confortável e não quero isso para mim.
Praticamente foi tudo pago através do Revolut. Criei uma conta pouco antes de vir, comprei o premium para não ter limites de conversões, e usei. Inclusivamente recebi lá o primeiro salário enquanto não criei a conta no banco.
A preparação emocional foi a menos complicada. O meu núcleo duro é relativamente pequeno, e toda a gente estava preparada há muito tempo para que eu "fugisse"; era conhecido praticamente desde que tinha começado o PhD que a minha área não era viável em Portugal, e que estava revoltado com a ética de trabalho merdosa. Naturalmente a minha mãe não gostou da ideia, mas são coisas da vida. Ainda assim, um conselho: não se armem em fortes e não descuidem a preparação psicológica/emocional que é necessária para este tipo de viagem. Eu sei que pessoas diferentes têm níveis de resiliência diferentes, mas o português tem muito a mania de achar que é o maior; cuidado com isso. Além disso, não deixem que estas preparações vos tomem todo o tempo que têm; guardem tempo para estar com a família, para lazer, e para descansar. Eu deixei-me consumir um pouco e não foi bom.

Como não ser sem-abrigo

Aterrei em meados de Setembro num dia nublado com duas malas de 30kg, uma mochila para mim e outra para a Maria, e a convicta certeza de que me estava a foder. Tinha cerca de 2.5 semanas até começar a trabalhar, e até lá a missão era só uma: encontrar um apartamento. Há muito para dizer acerca da habitação no UK, vou escrever um post só para isso e por isso aqui vou focar apenas na experiência do recém-chegado.
Eu decidi que não estava disposto a arrendar pelo privado; iria sempre através de uma agência imobiliária. Como não tinha tanta familiaridade com o mercado nem com a legislação, achei que seria mais seguro ir por essa via mais cara e minimizar a possibilidade de ser ludibriado. Recomendo vivamente. Então comecei a encetar contactos por telefone para marcar visitas a apartamentos.
E aí bateu-me.
Eu não conseguia perceber nada do que estes caralhos diziam ao telefone. NADA. "Ahka hrask apfiasdafsd duja sudn" diziam eles, e eu "sorry, I have a really bad connection, could you repeat that?" e eles lá repetiam mais calmamente "G'mornin, how can I help you today?". Muita vez disse eu que tinha pouca rede, a ver se eles abrandavam um bocadinho. E funciona! Top tip: se estiverem a tentar perceber o que eles dizem por telefone, queixem-se da ligação; o serviço móvel no UK é tão mau que eles vão na conversa.
Agora, eu sei falar inglês, ok? Naveguei perfeitamente bem as entrevistas, tenho dúzias de publicações em inglês "impecável", e trabalho em inglês há anos e anos. O problema é o seguinte: falar inglês enquanto se trabalha e escrever coisas em inglês são ambos experiências muito diferentes da de tentar falar com um nativo com sotaque, que assume maneirismos e expressões que não conhecemos, sobre locais que não conhecemos e dentro de um sistema (de arrendamento) que não conhecemos, tudo isto por telefone e sem poder ler nos lábios nem ler expressões corporais.
Com algum desenrascanço tipicamente português fui enchendo os dias de visitas a apartamentos na zona. Num dos dias aluguei um carro para ir ver apartamentos numa cidade vizinha (onde até acabei por ficar), algo que recomendo vivamente. Durante essas semanas vimos facilmente uns 25 apartamentos, talvez mais. As primeiras impressões foram:
(Um aparte acerca da alcatifa: se tiverem uma casa toda alcatifada comprem um robot aspirador de qualidade e aspirem todos os dias, até mais do que uma vez. A vossa qualidade de vida vai aumentar 1000 vezes.)
Escolhido o apartamento, fizemos uma oferta/candidatura. Oferecemos o valor que o senhorio pedia e, já tendo falado com muitos agentes, ofereci-me para pagar o contrato inteiro de 6 meses no dia da entrada. O que se seguiu foi um processo que, para mim, era completamente estrangeiro: o de "referencing" do potencial arrendatário. Pediram-me as moradas anteriores até 3 anos e os contactos dos senhorios, assim como a minha morada de família permanente e (muitos) dados pessoais. Essa informação foi usada para verificar que eu não era um impostor, e para verificar que tinha o hábito de pagar a renda. Ligaram para a minha antiga senhoria portuguesa, uma senhora de 82 anos, a perguntar se eu pagava a renda. Por mero acaso ela fala inglês (foi investigadora) e soube-lhes dar resposta, mas achei a atitude absolutamente desnecessária. Lembro-me de me sentir ofendido; "mas estes filhos da puta acham que pagar 6 meses à cabeça não chega?"
Seguiu-se um contrato de arrendamento para uma Assured Shorthold Tenancy [1], que é a modalidade "normal" de arrendamento para habitação por aqui. O agente imobiliário tratou de toda a papelada, mas eu tirei um dia para ler todo o contrato e verificar se batia certo com o que conhecia da lei daqui, o que recomendo vivamente. Atenção que a partir de meados de 2019 as taxas cobradas pelos agentes imobiliários passaram a ser limitadas por lei [2], por isso se vos pedirem alguma taxa administrativa mandem-nos sugar no pénis mais próximo. Na altura disseram-me que o normal, antes dessa mudança, seria o arrendatário pagar uma taxa de 700 libras à imobiliária pelo serviço. Era matá-los.
Assinado o contrato, ficou fixada uma data para entrada no apartamento. O valor a pagar é esperado nesta altura, no momento imediatamente precedente à entrega das chaves, o que significa que é preciso ter esse dinheiro disponível num cartão aceite pela imobiliária. Obviamente que é possível pagar por transferência, mas isso pode atrasar a data de entrada, e eu estava a pagar hotel por isso tinha interesse em me despachar.
Este processo foi, para mim, extremamente stressante. Até ao momento em que temos a chave na mão, o nível de incerteza é altíssimo: vou precisar de estender a estadia no hotel? Vou ter dinheiro que chegue caso o senhorio recuse o arrendamento? Será que vou ter que procurar noutra zona? Será que vou conseguir fazer isso enquanto trabalho? Para mim, encontrar a primeira casa foi facilmente a parte enervante da mudança. Agora já tenho uma posição muito mais sólida: conheço a zona, conheço o mercado, tenho um pé de meia e transporte próprio. O início custa muito mais.

Burocracias adicionais a tratar no início

Além da casa, que era a minha primeira preocupação, há um outro conjunto de coisas que têm que ser tratadas quanto antes:

Referências

[1] https://england.shelter.org.uk/housing_advice/private_renting/assured_shorthold_tenancies_with_private_landlords [2] https://www.gov.uk/government/collections/tenant-fees-act [3] https://www.gov.uk/council-tax [4] https://www.gov.uk/tax-codes [5] https://www.gov.uk/income-tax/how-you-pay-income-tax

Capítulos Anteriores

O próximo capítulo deve ser mais sobre habitação ou sobre compramanter carro e conduzir. Depende de qual o capítulo que acabar por ficar pronto mais cedo. Às tantas calha ser outro qualquer ¯\_(ツ)_/¯
Se este post gerar uma resposta tão forte como os outros, é possível que eu não consiga responder a todos os comments. Se for esse o caso, peço desculpa; vou dar o meu melhor.
No outro post alguém (um mod?) colocou o flair "Conteúdo Original". Não encontrei esse por isso pus "discussão".
Abraços, e obrigado por virem à minha TED talk.
submitted by UninformedImmigrant to portugal [link] [comments]


2020.09.18 14:34 UninformedImmigrant U wot m8? Estórias de um gajo que se mudou para o UK [Capítulo 0: Introdução]

Post anterior: https://www.reddit.com/portugal/comments/itrx1l/estou_a_pensar_escrever_uma_s%C3%A9rie_de_textos_sobre/
Olá amigos.
Perguntei-vos se estariam interessados numa série de posts acerca da minha experiência enquanto emigrante no UK. A resposta pareceu positiva, por isso vou começar a publicar o que vou escrevendo. Este primeiro post serve de introdução para ditar o mote dos restantes; aproveito para deixar aqui uma série de notas que depois escuso de repetir nos seguintes.

Que merda é esta?

Há-de ser um relato mais ou menos organizado da minha vivência como emigrante, escritos de forma predominantemente episódica. Cada capítulo pretenderá abordar um tema diferente que, na minha opinião, poderá afectar outras pessoas na mesma situação que eu. Basicamente, cada capítulo relatará grosso modo uma situação que me fez pensar "puta que pariu, porque é que não me disseram isto antes?"
Mais concretamente, quero:
Antes de começarmos, algumas coisas importantes de referir:

O que é que vem a seguir?

Este post é uma introdução muito básica ao "projecto" que estou a começar. Neste momento tenho esta introdução escrita, e mais alguns capítulos pensados e alinhavados. Para já, tenho alguns temas principais acerca dos quais gostaria de (ou comecei a) escrever:
Não os vou escrever por ordem, garantidamente. Sintam-se à vontade para sugerir tópicos, já acrescentei um ou outro de comments no outro post. Vou tentar manter os posts ligados uns com os outros com um índice ali no topo.

Quem és tu, e porque é que hei-de querer saber disto?

Por razão nenhuma. Lê este; se gostares, provavelmente vais gostar do resto. Se achaste que é só um gajo a dissertar sobre temas da vida, então acertaste na mouche. Se não gostas de gajos a dissertar sobre temas da vida, talvez não gostes disto.
Eu sou um gajo qualquer, suspeito que parecido com muitos vós: casa dos 30, carreira em tecnologia, mania que é esperto, emigrado recente. Acho que a minha experiência enquanto emigrante é deprimentemente mediana, e é aí que vejo o valor deste esforço. Entre decidir que queria vir e o dia de hoje, passei por uma série de situações que suspeito que muitos outros também atravessaram, e para as quais gostaria de ter tido aviso. Alguns exemplos de que me lembro de repente:
Eu também não sabia de nenhuma destas (e outras coisas), e às vezes saiu-me do bolso não saber disso.
A minha experiência provavelmente foge da média em alguns aspectos cruciais: não vivo nem trabalho numa cidade, vim já com um contrato de trabalho permanente assinado, e por aí fora. Escrever sobre alguns desses aspectos talvez passe a ser mais um exercício de memória pessoal que outra coisa, ou talvez as minhas peripécias pessoas ressoem com alguém, logo vemos.

Motivação

Um bocadinho do que está por trás das razões que me trouxeram para aqui:

Porquê NÃO emigrar?

Quando fui entrevistado para a posição em que estou agora, o entrevistador final (depois de umas 5 entrevistas para a mesma posição) perguntou-me: "estás nessa empresa há coisa de um ano, porque é que te queres mudar?". A minha resposta foi simples: não quero.
Em Portugal a vida tem uma leveza que não consigo encontrar em mais lado nenhum. Ganha-se pouco, é certo, e as oportunidades são muito limitadas, mas:
e por aí fora. A minha vida em Portugal era de uma tranquilidade incrível. O trabalho era especializado e pouco exigente, trabalhava com amigos de longa data na minha área de formação (que adoro). A minha rotina estava extremamente solidificada, vivia numa cidade que adoro (ah Coimbra!), conseguia-me facilmente sustentar, vivia numa casa boa numa zona boa. Visto de fora, tudo estava OK. A opção fácil teria sido deixar-me ficar; tinha facilmente emprego para a vida e poucas chatices.
Ainda assim...

Porquê emigrar?

Há uma certa insatisfação que vem com o saber que chegaste ao topo muito cedo, e que o topo não é tão alto como querias. Eu sou extremamente ambicioso, não do ponto de vista materialista e egoísta, mas mais numa eterna ânsia de ser melhor no que faço. Eu tive a espectacular sorte de escolher uma profissão pela qual me apaixonei, e de ter conseguido sempre trabalhar nela estes anos todos. O meu trabalho foi aparentemente tendo qualidade, e fui indo por aí acima. Um mestrado vira doutoramento, que vira bolsas, que vira escrita de projectos, que vira posições em empresas, que vira posições séniores.
No entanto, há um tecto máximo para o que se pode fazer em Portugal na minha área: o mercado é dominado por empresas muito pequeninas, altamente subsidiodependentes, e nas quais honestamente não vejo futuro. Eu não quero passar o resto da minha vida profissional a trabalhar num "one-man army", eternamente a desenvolver soluções que nunca vão vingar porque, convenhamos, há limites para o que uma equipa pequena consegue fazer. É extremamente descolhoante ver o nosso trabalho, que toda a gente diz que é muito bom, ficar perpetuamente atrás por falta de recursos, ou manpower, ou investimento, ou o que lhe quisermos chamar. Dei por mim a tornar-me uma pessoa frustrada, daquelas que vêm as notícias e dizem mal de tudo, mesmo do bom; pequenino e sempre zangado. Decidi procurar outras coisas.
Mudei-me para o UK com contrato assinado para uma multinacional gigantesca, bom salário, boa zona do país e, acima de tudo, projectos incríveis desenvolvidos por pessoas com as quais tenho aprendido muito. Estou novamente no caminho certo.
Eu não me mudei pelo clássico "ganhar mais". Obviamente que triplicar o salário de um dia para o outro é fixe, obviamente que é fixe comprar carros a pronto (mais sobre isso mais tarde), obviamente que ir às compras e nem olhar para a conta é bom; mas há mais que mova um gajo. O salário é um factor, mas é um factor.
Abraços, e obrigado por virem à minha TED talk.
Edit: desculpem a formatação manhosa no início, esqueci-me do modo markdown.
submitted by UninformedImmigrant to portugal [link] [comments]


2020.09.14 15:11 FlavioKD9 Estou desistindo de mim

Bom, cá estou eu novamente desabafando porque não tenho com quem conversar sobre isso.
Esse fim de semana foi a gota d'água, e acho que não só pra mim, pela primeira vez eu vi minha mãe chorar e dizer que não consegue ser feliz no trabalho nem em casa. Eu tentei (e consegui) por muito tempo fingir que eu estava bem, só que as coisas estão piorando, noites sem dormir, várias vezes quando meus pais estão em casa eu vou no banheiro pra chorar, e não ando tão animado assim quando eu era há uns 5 anos atrás.
Tenho tido várias crises de ansiedade, começa a me faltar o ar, coração acelera, e eu começo a chorar. Todo dia tenho uma, só que durante a semana, meus pais trabalham a maior parte do dia, basicamente só vejo eles de noite, então dá pra esconder. Já pensei várias vezes em me matar, porque seria a opção mais rápida e fácil.
Eu fui criado em uma família evangélica, sempre acreditei em Deus e tudo. Só que estou sentindo que se ele existiu e existiram vidas passadas, eu fui uma pessoa que jogou pedra na cruz. Nasci com uma pancada de problemas respiratórios, vivi minha infância toda indo no hospital, meus pais não tinham casa própria, eles moravam com minha avó, que na verdade era um quarto que cabia uma cama e algumas outras coisas. Meus pais passaram por muitos problemas, e eu me acho um lixo por estar pensando em me matar hoje, sendo que eles passaram por coisas piores. Só que eu sinto uma dor que não dá pra explicar, e eu só quero que ela suma pra sempre.
Sou uma pessoa muito sonhadora e odeio isso. Sonho em namorar uma cantora famosa que eu acompanho a quase 10 anos. Sonho em compartilhar coisas maravilhosas da vida com essa pessoa. Sonho em viver de música, poesia, arte, atuação, produção pra rede social. Sonho em ser rico e poder ajudar pessoas que não tem condição de ter um prato de comida na mesa. Sonho em ajudar pessoas com a arte, porque muitas pessoas me ajudam hoje, acredito que a arte é o que me mantêm. Sempre fui ligado a música, nesse momento enquanto escrevo esse post, estou escutando música. Parece que é um filme, e a trilha sonora tá tocando sempre.
Só que ao mesmo tempo, há outros empecilhos que me frustram e pensam que eu nunca vou conseguir realizar um sonho. Tenho mordida aberta, e consequentemente problemas na fala, odeio minha voz, odeio minha aparência, na verdade, não gosto de nada em mim. E já não é de hoje. Eu sempre quis ser muito sociável, mas nunca consegui manter amigos. Hoje, me vejo sozinho e nem estou aberto a ser sociável.
Vivi mais de 10 anos da minha vida fazendo tudo sozinho. Eu aprendi a ficar sozinho, tanto que hoje, eu não consigo ficar tanto com meus pais, e eu sei que isso machuca eles. Eu tento ficar, mas logo surge um comentário racista, uma piada sem graça, ou então ficam reclamando do trabalho. Eu sinto que eu sou o problema, porque se eles não tivessem um filho pra cuidar, eles não teriam que se matar de trabalhar, meu pai poderia ter seguido o sonho dele, minha mãe podia ter estudado.
Eu sei que sou uma pessoa ingrata, que tem um bilhão de pessoas em situações milhões de vezes piores que a minha. Só que eu também sei que eu tenho uma data limite, que eu to chegando nela. Eu tô desistindo de mim, quando começo alguma coisa, no começo eu fico empolgado, só que logo penso que nunca vou ser bom naquilo, e logo desisto. Como já falei dos sonhos, eu penso neles, mas logo vem o famoso "você nunca vai conseguir isso, nem tenta", e cada vez que isso acontece, parece ser mais certo que não vai acontecer.
Tenho 22, era pra mim estar começando a realizar meus sonhos, mas eu estou aqui, sem conseguir conversar com alguém que não seja uma pessoa desconhecida na internet, sem conseguir forças pra levantar da cama de manhã. Eu comecei a meditar semana passada, e foi uma das poucas coisas que aliviou um pouco minha ansiedade. Mas, depois de uma hora, ela volta e volta pior. Resumidamente, eu não sei mais o que fazer, eu to desistindo de mim mesmo, vendo meus sonhos fugirem pela janela, vendo o tempo passar, vendo as pessoas realizarem os sonhos delas. Nem sei porque estou escrevendo esse post, se daqui 1-2 dias tudo vai voltar a estaca zero.
submitted by FlavioKD9 to desabafos [link] [comments]


2020.09.14 03:04 KatarinaMolovSOP É muito difícil ter empatia dentro de casa

Hoje eu desisti. Desde muito tempo venho me sentindo um lixo por causa da pandemia. O apocalipse chegou no Brasil quando eu finalmente consegui conquistar coisas que eu lutei pra conseguir. Finalmente tinha um emprego de carteira assinada depois de 2 anos procurando, finalmente tinha conseguido passar no curso que eu tanto queria, na faculdade que eu queria, e eu finalmente estava melhorando da depressão que me acompanha desde os 14 anos.
E ai o Corona chegou na minha cidade. Não perdi o emprego, fui para home office, mas as cobranças aumentaram de maneira exponencial, e minhas aulas foram suspensas por tempo indeteminado.
Passam 6 meses e continuamos na mesma, porém a cobrança do emprego aumentou tanto, mas tanto, que eu passo mal todos os dias por causa do estresse, e minhas aulas começaram em agosto com previsão pra acabar o primeiro período na primeira semana de outubro. A ideia da faculdade foi comprimir dois períodos em 6 meses, então estou lotada de trabalho até o pescoço, e tem a depressão, ah, a fudida da depressão que me acompanha a quase 7 anos... Eu afundei nela.
Hoje de manhã na hora do café eu chorei, e chorei muito, falei pra minha mãe o tanto que eu sentia saudades de comprar um picolé no mercadinho e poder voltar a pé pra casa tomando meu picolé, sem ter que me preocupar de passar álcool na embalagem. Falei da saudade que eu sinto de andar de ônibus, de abraçar meus amigos, de ir no cinema. Falei sobre o tanto que eu sinto falta da normalidade, e que não aguento mais ficar trancada em casa por culpa de gente que não respeitou o isolamento logo no início e agora criou esse efeito cascata que nos prende em casa desde o mês 3.
Ela me disse pra parar com isso, já que todo mundo tá assim. Eu só queria ser escutada.
Depois minha tia veio perguntar como eu estou e eu comecei a chorar e disse a mesma coisa para ela, e ela me disse que isso é falta de fé.
Depois veio a minha irmã e juntou no bonde e me disse que eu choro demais e deixo todo mundo da casa mal.
Eu só queria ser escutada
E ai as três juntaram para falar que eu não devia estar triste desse jeito já que eu faço tratamento psicológico e psiquiátrico, falaram que minha terapia e meu remédio não valem de nada, já que eu continuo desse jeito. E falaram um monte, por quase duas horas. Fui desabafar e acabei levando xingo.
Bom, eu desisto. Já falei pra psicologa que eu vou parar com a terapia e agradeci ela pelas sessões que tivemos, já fiz uma lista com as despesas que eu tenho e deixei explicado onde está o dinheiro para pagar elas, e fiz uma lista com minhas contas bancárias que precisarão ser encerradas, e já escolhi minha data, que é depois do fim do meu período, já que tenho muitos trabalhos em grupo e não quero deixar ninguém na mão.
É isso, eu desisto, e vou embora assim que o período acabar. Não quero ser mais um estorvo pra essa merda chamada família. Eu já cheguei no meu limite, e já passei por muito abuso físico aqui dentro que não dá pra resumir em um só post, essa falta de pelo menos um ombro pra chorar foi a gota d'água. Daqui 4 semanas eu vou estar em paz, e é isso. Tempo suficiente pra ajeitar o que precisa ser ajeitado.
submitted by KatarinaMolovSOP to desabafos [link] [comments]


2020.09.10 15:04 sheepzinha Por que vocês odeiam o EAD?

Eu passava 4 horas do meu dia em transporte público. Minhas aulas começavam 8h, então eu precisava acordar pelo menos 5h30 para conseguir chegar a tempo... Isso me cansava demais e muitas vezes eu estava morta para me envolver nas atividades...
Hoje, eu acordo 7h, tomo café e me arrumo, e estou sempre pontual. Além disso, tenho muita energia para as aulas, leio todos os textos, entrego os exercícios um ou dois dias antes da data limite e consigo cozinhar, me exercitar e ter tempo para jogar alguma coisa.
Eu não sei porque as pessoas odeiam tanto o EAD... Claro que eu tenho problemas com cachorros latindo, carro da pamonha, e minha mãe assistindo tv num volume bem alto. Mas ainda assim, a facilidade que me trouxe de não ter que acordar 3 horas antes e pegar metrô e ônibus e ficar 2 horas em pé é muito bom.
Por que vocês odeiam o EAD, exatamente? Eu real queria saber, o que vocês passam, o que complica, o que tá acontecendo... Me sinto privilegiada achando isso bom.
submitted by sheepzinha to desabafos [link] [comments]


2020.09.01 16:20 SundayRed Here are the results from the r/golf 2020 Census!

A big thanks to the 2055 of you who took a moment to complete the recent golf 2020 census.
This is a tremendous response and should provide a reasonable sample size among active users of this sub. Caveat: while my IRL work has a lot to do with digital media and numbers, I am no data scientist or Excel whiz, so I'm sure this isn't quite as good as it could be, but it's all I have time to do with now!
So without further ado, here are the results (and I have made the data available here if anyone wants to take a peek or slice and dice it for themselves). You can view natively in your browser, or simply click the 'download' button in the top right.
I might edit this later with some more findings, but that's enough for now! I'll be really interested to know what you think. What results surprise you? What results were you sure of? Please post and discuss your feedback!
1. How old are you? The average age of golf is 30.01 years. It's also the most common age selected in the census with 144 of you identifying as exactly 30 years old, 135 of you identifying as 31 and 134 identifying as 28 years.
The oldest respondent is 72 (and has a handicap of 5). The youngest respondent was 13, which is the minimum age to have a reddit account, which is why I cut it off there. The two 13-year-olds identify as being off 12 and 6 handicaps.
Just 108 of the sample size are teenagers, representing a mere of 5.26% of respondents.
2. What is your gender? A whopping 98.2% of us identify as male and just 1.1% female. I knew this sub was heavily skewed to men, but that's a LOT more than I expected.
3. What is your relationship status? 41.9% of this sub is married, 29.7% are in a relationship and 27.5% are single.
The average handicap of married golfers is 17.0, single 17.5 while golfers in a relationship are 18.4, suggesting this latter category is prioriting other matters in life :)
0.8% of married golfers and 1.1% of both single and golfers in relationship are better than scratch players
4. Where do you live? 79.7% of you live in the United States Canada is second with 8.1% and the UK third with 4.4%.
The top 10 is:
Country Count
USA 1637
Canada 166
UK 90
Australia 27
Sweden 26
Ireland 23
New Zealand 11
Norway 10
Germany 8
Netherlands/Denmark/Finland 7
There are single representatives from Antigua, the Bahamas, Dominican Republic, Georgia, Greece, Grenada, Iceland, Italy, Mexico, Oman, Pakistan, Poland, Romania and Thailand.
5. In which US state do you live? Here is where the Americans among us live:
State Count
California 171
Texas 108
New York 88
Illinois 69
Pennsylvania 63
Massachusetts/Ohio 62
Georgia 69
Florida/Michigan 58
Virginia 56
Minnesota 54
The states with the fewest golfers are Delaware and Montana (2 each) while Vermont and Wyoming each have 4 representatives on golf according to this census.
6. What is your current handicap? (rounded to the nearest whole number) According to this census, the average handicap or golf is slightly lower than 17.5 (slightly lower as there are 20 players who identify as better than scratch, but were counted as 0 for the purposes of this average).
7. Recently,my handicap has been... 1262 (61.35%) of you have been reducing your handicaps lately - well done! 8.81% of you need to stop the recent rise in your handicap 29.84% of you are remaining relatively unchanged/consistent
8. My status as a golfer is... The vast majority of us (96.15%) are amateur players/weekend hackers while there are at least 8 current professionals among us, 3 former pros and 68 aspiring pros
9. What would you say is your preferred brand of club? I appreciate this question didn't suit everyone, as putters are different to irons as wedges are different to drivers - you might like a brand in one club, but loathe it in another. Without wanting to make this survey too in-depth, I think the below table is a decent snapshot of golf's preferred club brands (and really sorry I forgot about the PXG crew!)
Brand # that express it as 'favorite'
TaylorMade 532
Callaway 380
Mizuno 303
Titleist 270
Ping 218
Cobra 126
Cleveland 46
Wilson 46
Nike 39
Srixon 32
Ben Hogan 20
Adams 13
Miura 9
Dunlop 6
Bridgestone 4
MacGregor 4
Bettinardi 2
Honma 2
Vulcan 2
Obviously a lot to unpack here and there a LOT of variables. Of particular interest is the love for a now defunct golf brand (Nike) ahead of leading brands such as Srixon and Miura. Also, there is a noticeable drop-off from Ping to Cobra and an even greater one from Cobra to Cleveland.
When you isolate the data to those with a 0 or better handicap, the results look like this:
TaylorMade (9) Titleist (7) Callaway (3) Mizuno (3) Ping (3) Cleveland (2) Miura (1) Nike (1)
10. Do you prefer to mix or match? 19.57% prefer to match your sets while 80.43% don't mind what's in the bag, as long as it works for you.
11. What brand of ball do you primarily play?
Brand Number who play it
Titleist 462
Whatever I find in my bag or the woods 290
Callaway 249
TaylorMade 211
Srixon 194
Bridgestone 170
Kirkland 121
Vice 119
Snell 79
Wilson 39
Nike 21
Top Flite 19
Oncore 16
Maxfli 13
Inesis 8
Volvik 8
Mizuno 7
Pinnacle 6
Noodle 3
Seed 2
Sugar 2
Slazenger 2
OtheVarious 12
12. Do you think the ball you play has a significant impact on your game? 37.59% of you think it's VERY important 19.40% of you don't think it matters at all 43.01% don't mind, as long as it's a ball by a 'leading' manufacturer
17/20 of BETTER than scratch golfers said that ball choice is critical. The only surprising thing about this is that it wasn't 20/20! The average handicap of players who suggest ball choice is very important is 14.16 (down 3+ whole points from the overall golf average) and if you include the BETTER than scratch handicappers as zero, that falls to 13.85.
13. What is your position on iron covers? 57 of you (2.77%) use iron covers 821 of you (39.97%) of you think these 57 people should be openly mocked 1176 (57.26%) of you think these 57 people should do whatever they like :)
14. Do you drink alcohol while golfing? 17.96% of you don't see any difference between a golf course and an open bar 29.60% of you drink and play some of the time 24.74% of you drink occasionally 27.70% of you never drink while golfing
Of the 29 zero or better handicappers among us, 11 never drink on the course and 5 drink most of the time!
15. What is your preferred tee time? 40.55% of you enjoy gettingup at the crack of dawn for an early morning tee time 27.46% of you like a morning slot, but without the early wake-up 14.41% of you would rather play in the afternoon 13.00% of you enjoy finishing the day with twilight golf Just 4.58% of you prefer to tee off at lunchtime
16. What is your preferred way of getting around the course? 45.13% of you prefer driving 32.18% of you are card carrying members of the push cart mafia 22.69% of you mental bastards prefer to walk and carry
17. Are you a member of a club? 71.23% of golf are nomads 23.81% of us are full year members of a club 4.96% of us are members of a club for part of the year
18. Have you ever had a hole-in-one? 10.18% of you have an ace to your name 89.82% of us are still searching for that elusive milestone!
19. Who do you prefer golfing with? 76.53% of us would rather golf with our friends 12.03% most enjoy playing with family 10.37% prefer the solitude of a solo round 1.07% of you most enjoy the company of strangers
20. Hot or cold? 67.53% of you would prefer to play in roasting hot conditions 32.47% would rather play in the freezing cold
21. What is your biggest pet peeve on the course?
Here's how you responded to the pre-defined answers:
Peeve # of you who most hate this
Slow play 1051
Lack of course care 214
People who hit up on you 204
'Put me down for bogey' guy 147
People who litter 145
Bluetooth speakers 111
Unsolicited advice 93
And here are some of the best 'write in' answers!
22. What do you consider to be the best part of your game? 34.95% of you are best with an iron in your hands 31.44% of you are magicians around the green with a wedge 16.84% of you feel most at home on the greens 16.77% of you love to step on to the tee with the big dog
23. What do you consider to be the worst part of your game? 45.62% of you aren't confident with driver in hand 20.25% of you least like putting 18.55% don't strike irons well compared to the rest of your game 15.58% of you are most uncomfortable with a wedge
24. Assuming you had not achieved either, would you rather... 68.01% of you would rather play a whole round to par or better 31.99% of you would prefer to write a "1" on your score card
25. Which shot produces the most pleasure for you? An utterly PURE mid/long iron right out of the sweet spot (40.12%) Ripping a booming drive down the middle of the fairway (30.62%) Reading the break and hitting the ideal weight on a putt (11.74%) A pin-point chip/pitch to tap-in range (9.54%) Crushing a wood off the deck (4.67%) Splashing out of the sand to a few inches from the cup (2.58%) A perfectly judged bump & run (0.73%)
So that's all of the questions with pre-defined answers, which was much easier for me to dissect than the qualitative answers to come! With upward of 2000 responses, I can't depict every answer, so have done my best to group them and provide some outlying humour and interesting responses.
26. Who are you picking to drain a 20-foot breaking putt to save your life?
By far the most popular response was "Tiger" or a variation of it (including "2000 Sunday Tiger" or "Young Tiger" or simply just an emoji and there are so many variations of TW, Eldrick, El Tigre etc. that I am not going to tally them up - just trust me on this, he is far and away the top choice!)
A lot of you would back yourself for the putt. Some because you legitimately think you will make it, others because they will feel more motivated than anyone on earth while others wouldn't consider burdening another person with that responsibility!
So here's the list I've generated with everyone who had 5 or more mentions.
  • Tiger Woods (714) - not including the aforementioned variations of his name, so I suspect that more than half of you will have chosen TW in some way, shape or form
  • Myself (139)
  • Jordan Spieth (121)
  • Jack Nicklaus (83)
  • Phil Mickelson (82)
  • Dustin Johnson (76)
  • Rickie Fowler (62)
  • Justin Thomas (58)
  • Jason Day (49)
  • Kevin Kisner (31)
  • Bryson DeChambeau (26)
  • Colin Morikawa (20)
  • Brad Faxon (18)
  • Kevin Na (17) - and two said "just so he can walk it in"
  • Steve Stricker (16)
  • Rory McIlroy (15)
  • My dad (13)
  • Dennis McCarthy (12)
  • Anyone but myself (11)
  • Happy Gilmore (11)...uh oh, Happy learned how to putt!
  • Jesus (11)
  • Ben Crenshaw (10)
  • Brandt Snedeker (9)
  • Webb Simpson (9)
  • Matt Kuchar (8)
  • Ian Poulter (8)
  • Brooks Koepka (6)
  • Arnold Palmer (6)
  • Tommy Fleetwood (6)
  • Jim Furyk (6)
  • Jon Rahm (5) - would have been a lot more after last weekend!
  • Patrick Reed (5)
A special shout out to....
  • The 6 people who would choose my mom (clearly good putting is not hereditary)
  • The 3 people who said "The Club Pro Guy"
  • The 2 people who said Michael Phelps
  • The 2 who said Batman
  • The 1 cool cat who said Carole Baskin
  • The 1 who nominated Rick Shiels because he "prefers some risk"
  • And the wise guy who said "a robot designed for putting" (see: 2000 Tiger)
27. If you could change one rule in golf, what would it be?
Another one where I made it pretty difficult to analyse and display the results! But here are a few of the top answers (in what I interpret as order of popularity), and please feel free to access the results yourself if you want to sort through them all.
  • Lost ball to become a drop at nearest point of relief for a one-shot penalty instead of reloading for three
  • All hazards/OOB to be red stakes for consistency
  • Be permitted to ground your club in a bunker
  • Relax dress codes (including allowing tour players to wear shorts)
  • "Gallery Balls" whereby amateurs receive a free drop for a 'lost' ball that is definitely in play
  • All players should receive relief from fairway divots
  • Any drop/penalty should just be one stroke (a LOT of you think all OB should be treated as a lateral hazard)
  • A certain number of mulligans per round (most said one, but some of you want up to 3 per nine!)
  • Actual enforcement of penalties for slow play and/or a shot clock
  • Be permitted to lift, clean and place on all fairways
  • Free relief for things like ree roots, fences etc.
  • Drop height... some of you want it lower (ankle) and some of you want it back to the waist!
  • Change number of clubs permitted in bag (interestingly, half of those who suggested this want fewer and the other half want more - there doesn't seem to be a universal consensus)
  • That inconsequential and accidental touches of the ball or sand should not result in a penalty
  • Allow rangefinders/slope in competitive play
  • Preferred lies within one club-length no nearer the hole on all grass and bunker sand
  • Flagsticks should remain in the cup 100% of the time
  • Overturn the ban on anchoring
  • Slightly bigger cups
  • Stymies should be permitted
While sorting through these responses, it became apparent just how difficult it is to please all golfers. On one line, someone says "Collared shirts compulsory" and on the next, someone says "Collared shirts optional!"
And finally, this one tickled me...
"If you are not on the green and can run to your ball and play another shot within 5 seconds, the first one shouldn't count!"
28. What is your hottest/most controversial golf take?
Another one that's impossible to really depict succinctly, so here are some interesting responses, copied and pasted exactly as you wrote them!
  • (most) old people ruin the game (gatekeeping & arrogance towards younger generation)
  • "Annoying fans" are necessary to grow the sport
  • 18 holes per game is too many
  • 70% of people should be playing from the red tees. Move forward
  • Alcohol should be banned on the course
  • Alignment lines on balls should be banned
  • All private clubs should have a public day
  • Amateur golfers on YouTube do more for attracting new people to the sport than pros on TV
  • Augusta as a course/club is overhyped. If it wasn't for the exclusivity and the masters itself, it would be considered an average course
  • Bad golfers should be relegated to non-ideal tee times
  • Blades make you a better golfer because you can feel where your misses are on the face
  • Breaking 80 isn’t impressive if it’s not from the tips
  • Brooks is more annoying than Bryson
  • Bryson and brooks are likable, talented guys
  • Bryson and Patrick reed are good for the game (several dozen more Bryson takes!)
  • Carts should only be used by people with mobility issues
  • Corn Ferry far superior to European tour
  • Dress codes are stupid
  • European Tour is more difficult than the PGA Tour
  • Everyone cheats, somehow or some way
  • Fairway shots are most times harder than shots out of the rough on low quality courses
  • Fedex Cup should be match play
  • Fitting is the biggest scam going. It is a sales tool and nothing more.
  • Getting married ruins the promising careers of young pga pros (see Jordan, tiger, rory, rickie, DJ)
  • Gimmes are acceptable and should be reasonable encouraged in social (non-competitive) play
  • Gimmes suck and hurt your game
  • Glove should not be removed during putting
  • Golf courses are a waste of resources and land
  • Golf decorum means something and isn't designed to be purely elitist
  • golf fans are the worst fans of any sport
  • Golf isn’t fun to watch just to play
  • Handicapping is a participation trophy for bad players
  • Hazards should not be raked, they are hazards
  • Hitting Fairway Woods off the deck is far easier than off the tee
  • Hole in one's aren't that special
  • I don't like Phil Mickelson
  • I don't really mind slow play
  • I don't think you should mark your ball on the putting green for the other golfers. Putt around other balls.
  • I love golf but hate golfers
  • I'd be on tour if I was given 1 year to train, a new fitted set of clubs, and had no obligations to anything outside of golf (this respondent is a scratch player)
  • I'd like to see a tournament with separate tees: womens/champions/PGA, all competing for the same $/trophy
  • I'd rather hit a great drive and double bogey than dink my iron a few times and par
  • If Bryson was black people would focus on the fact that he is changing the game and advancing it rather than focusing on his minor blunders he has had and blowing them out of proportion.
  • If you can’t shoot under 100, you have no business being on a regulation/championship 18 hole golf course
  • Instead of rolling back the ball, ban the use of tees
  • Iron covers aren’t terrible
  • Irons should be labeled with loft not numbers
  • Leaving the pin in to putt is better than taking it out
  • Men can learn way more from watching the LPGA than the PGA Tour
  • Mulligans are stupid and you cheat yourself out of an actual score
  • Music being played from the cart should not be distracting during a random weekend tee time. We aren’t on tour.
  • No discount should be given if the greens are aerated
  • No one should take more than one practice swing. Just get up and hit the ball.
  • Nobody wants to see pros play ridiculously tough courses where the winner is -1.
  • Older men at golf courses prove millennial aren't the entitled generation, its the 50 to 60 old dude who is
  • Pace of play is less of an issue than people make it out to be in the amateur game
  • PGA tour broadcast juices yardages for casual fans
  • Players on the tour aren’t too long, it’s cool to see what they can do with the same equipment as us
  • Playing forward by a set of tees doesn't make you less of a man
  • Playing more rounds will help you improve scores faster than range sessions. Rounds are what get scored, not repeated hits off turf.
  • Practice swings don't work and are generally pointless
  • Prime tiger wouldn’t go on that run he had today against this new talent
  • Pro Golfers should be able to play through noise and heckling
  • Pro V1s are overrated and mainly used by people for placebo
  • Pros are playing for millions of dollars they are allowed to be entitled and whine
  • Pros should carry their own bags
  • Putters over $100 are a waste of money
  • Rowdy fans are alright
  • Ryder Cup is better than any major
  • Scottys are not overpriced
  • Scrambles are a horrible way to play golf
  • Shafts don't matter for most golfers
  • Solo golfers do not have the right of way as long as the group ahead is meeting course pace of play
  • Stepping on someone's putting line makes no difference
  • Take the driver out of the bag. You’ll shoot better.
  • Tee boxes based on handicap not age/gender
  • The British Open is more prestigious than the Masters
  • The top 20 LPGA players could make bank on the men's tour if they could tee off from 100 yards ahead
  • The US Open is a better tournament than the Masters
  • There are like 5 people on the subreddit qualified to give swing advice
  • Tiger doesn't care to win again
  • Unless you are a 10 handicap or better, the ball you play does not matter
  • US Open should only be played at public golf courses
  • Waiting for the group in front of you is not hard or annoying
  • Womens golf is more entertaining to watch
  • Yelling fore does nothing. You’re on a course be aware of your surroundings.
  • You should have to have a license to play golf. Nothing crazy just take an online class that would go over basic rules and etiquette.
29. What is the best golf course you have ever played?
Have aggregated the most popular answers to the best of my ability, capped at 6+ responses.
  • Pebble Beach (17)
  • Chambers Bay (16)
  • Half-Moon Bay (15)
  • Torrey Pines (13)
  • Whistling Straits (12)
  • TPC Scottsdale (11)
  • Bethpage Black (10)
  • Arcadia Bluffs (9)
  • Wolf Creek (9)
  • Tobacco Road (8)
  • Sypglass (8)
  • Pinehurst #2 (7)
  • Pasatiempo (6)
  • TPC Sawgrass (6)
30. What is your bucket list course that you are yet to play?
Again, a lot of variations here which made it tough for me to sort the data, but have done my best to sample a Top 10. I was very surprised to see Augusta behind St Andrews and so far behind Pebble but I suppose people subconsciously don't vote for courses they have no legitimate way of ever playing. I'd be interested to see these results if I re-phrased the question to "You have a free, no questions asked tee time anywhere in the world, name your club..."
  • Pebble Beach (433)
  • St Andrews (200)
  • Augusta (193)
  • Bandon Dunes (119)
  • Pinehurst #2 (61)
  • TPC Sawgrass (49)
  • Bethpage Black (35)
  • Torrey Pines (22)
  • Whistling Straits (22)
  • Wolf Creek (21)
31. What is the ONE thing golf administrators ought to do to encourage more people (particularly young people) to play the sport?
This was a genuinely encouraging list of 2000+ results to read though. We often read about the 'doom & gloom' aspects of the future of our sport, but there is a vibrant and dedicated golf community out there thinking of ways to perpetuate interest in the sport and keep the flame lit for the next generation.
Again, here's a sampling of what I would consider to be the most popular responses.
  • Make the game less cost prohibitive (this is a big one - everything from clubs to green fees to beers)
  • Open 'masterclasses' or free clinics from pros at ranges and local clubs (another big one)
  • Shorter courses (9 or 12 hole)
  • Heavily discounted beers for 18+ players
  • More facilities like Top Golf
  • A greater focus on 9-hole game, tee times, handicap structure etc.
  • All clubs should have a dedicated youth program
  • Allow interest free payment plans for things like memberships, clubs etc.
  • Alter rules to make it less elite/proper ie. mulligans, preferred lies etc.
  • Allow kids (U15) to play free (and rent clubs free), or at heavily reduced rates
  • Alternate course routing that allows you to come off whenever you like, not necessarily play 18
  • Kids play free with a paying adult (ensuring pace of play is maintained)
  • Relax the dress code and 'traditional' golf culture ie. be far less elitist
  • Twilight 9-hole beer leagues, aimed at young professionals looking for something to do after work
  • Carving out tee time blocks for 'beginners' so they don't feel pressured
  • Similarly, these blocks might be "free for all" in terms of attire, etiquette etc. so if a 14-year-old shows up in a hoodie, carrying 18 clubs and wants to have two mulligans from every tee, it's completely fine!
  • Introduce golf to public schools through gym/PE classes
  • More tech in carts and ability to connect bluetooth (with limited volume)
  • Change the nomenclature of "women's" tees to "beginner" or "forward" tees
  • Close the course one day a month for beginners, with teaching pros on the course and range
  • Pace of play is important, but if newbies feel intimidated they will never come back
  • Encourage mini games within a round for kids ie. straightest shot, nearest to pin etc.
  • Engage with local community/government to identify talented (possibly minority) athletes who would otherwise have no access to golf and get clubs in their hand
  • Decrease the emphasis on score - make it FUN and about the process, not the end result
  • More social events BEYOND golf in local clubs to build the golfing community rapport
  • Improve the professional tour TV and online products
32. What is the best tip, or piece of advice you have ever received that's improved your game?
This one is just too crazy to aggregate, so please view all responses (in column AG) here :)
But I will list EVERY bit of advice provided by our scratch or better players.
  • Only hit shots you know you can hit
  • Just keep playing
  • Don't think, just do
  • If you chunk chips, focus on using you left (right handed) hand more than your right
  • Focus on the next shot
  • Get a lesson
  • You're not good enough to get mad
  • Slow tempo always creates a better shot
  • Tempo tempo tempo! 90% of my bad swings are rushing at the top and hands getting ahead of my body
  • Hammer the nail
  • You don't control the outcome, focus on the process
  • Bowed left wrist
  • Being mad is ok, being negative is not
  • Ask quetions of people who are better than you
  • Focus on the shot you have now, not the one you just hit
  • Swing on a plane
  • Eliminate the double cross
  • Play your game
  • Before all else, hit the center of the face
  • Aim small, miss small
  • Care less
  • Slow Down
  • Learn how to properly manage the course
  • The only shot that matters is the next
  • Rotation is the wrong word, you're not supposed to rotate
  • Relax your grip
  • Accelerate THROUGH the ball - let the ball simply get in the way of your club head’s swing path
33. If you had the attention of EVERY SINGLE PLAYER in the world for 10 whole seconds, what would you say?
Again, too much for me to break down, so you can see all responses here in column AH, but here are some of my favorites and some of the more popular ones!
  • Fix your ball mark
  • Hurry the fuck up
  • One practice swing is enough
  • Leave the flag in
  • Pick up your fucking trash
  • Have more fun on the course - it's a game after all
  • Enjoy this game while we can - it's truly a privilege
  • Accommodate the new as when you are gone, they are all that are left to carry the game
  • Grip it and rip it
  • Focus on contact before power
  • Sam Snead's win record is B.S.
  • Thank you for making me feel like I'm not the only person obsessed with this game
  • If you love golf, take new people golfing
  • Be considerate to players of all skill levels and work to grow the game not alienate newcomers
  • Keep your tempo up through the chip shot
  • Yelling "FORE" could save someone's life (including tour players)
  • FORE RIGHT
  • Your ego doesn't exist, let it go
  • Don't be a dick, treat the game/courses right, and if you're going to suck, suck at a faster pace
  • There's always someone worse than you
  • You don't practice enough to get that mad
  • You aren’t as good as you think and that's okay
  • Go get fitted, it will pay for itself many times over in the long run
  • Be ready to hit your shot before it's your turn
  • You hit the ball 15 yards shorter than you think you do
  • At your best as a pro, you’ll never be half as good as Tiger's peak
  • Mashed potatoes
  • It's our job to grow the game.
  • Baba booey
  • Jim Nantz, please come do the color commentary for one my rounds
  • Take some damn lessons and stop buying $500 drivers
  • Stop giving yourself gimmies, put the ball in the hole
  • Smell the roses, enjoy the views
  • Golf is hard
  • All of you sandbaggers are going to hell
  • Hurry the fuck up, and stop spending a minute perfectly adjusting the line on that 15 footer for bogey
  • It's our job to grow the game
  • ONE FUCKING PRACTICE SWING
Thanks again for your input! I might edit this later with some more findings, but that's enough for now!
submitted by SundayRed to golf [link] [comments]


2020.08.30 16:35 hallach_halil Fantasy diamonds for 2020

https://preview.redd.it/k4qs3l2pg5k51.jpg?width=900&format=pjpg&auto=webp&s=25b7421d2ef3ec043dc670d01b3d28e9eee2be8c

Now that we are close to a lot of people’s fantasy drafts, I wanted to hand out some names that I frequently end up with when I do mocks, just because I have them higher in my rankings. So these are players, who present value based on their ADP (average draft position), all as an average between the three biggest platforms for fantasy football – NFL.com, ESPN and Yahoo. That’s as of August 20th, with the first two having a full-PPR scoring system and the last one being set to .5PPR. They also all have a standard lineup of 1 QB, 2 RBs, 2 WRs, 1 FLEX, 1 TE, 1 DEF and 1 K. I had to wait until now, so that the draft data is representative of what people actually think of these players, especially with so many mocks having the majority of users set as auto-picks and distort the results.
So I will talk about what I like about these players heading into 2020, maybe a couple of concerns and talk a little bit about what I look at them as, compared to the where people are selecting them in their mock drafts. I listed three guys for every position that fills one spot in your standard lineup (QB, TE, DEF) and five for running back and wide receiver respectively. Oh, and I’m not doing kickers here – just pick one from the high-scoring team and that you know has a proven track record of converting on his opportunities.
Here are some of my favorite value picks:


https://preview.redd.it/8ju88dnrg5k51.png?width=720&format=png&auto=webp&s=41cfe8bb0deb4bcf44b29e0355e72359017b52fc

Quarterbacks:


Tom Brady
ADP – 79.57 (QB9)
This seems weird to put a name here that is discussed as probably the greatest of all time and who hasn’t been on my radar as a fantasy option for a long time (especially since I usually pick my QBs very late), but I think there has never as much value with Tom Brady as this upcoming season. TB12 was QB12 last season with a broken-down Julian Edelman, who led the league in dropped passes, to go with a former first-round bust in Philip Dorsett, an undrafted rookie in Jakobi Meyers and a Mohamed Sanu, who looked like one of the worst in-season acquisitions of 2019, as the three next-most productive receivers, combining for less than 1000 yards. To go along with that he had what looks like a bad first-round choice in N’Keal Harry and the league’s least productive tight-end room. Now he is in Tampa Bay, where they have the premiere receiving duo in the game with Mike Evans and Chris Godwin, a three-headed monster at tight-end, some interesting backs and pretty much a push as far as the O-line goes, while playing for a coach that is much more interesting in pushing the ball downfield. While having to learn a new system after two decades of being in New England and knowing every little intricacy about it will be a challenge no matter how long you’ve been around the league, just the sheer improvement in weapons and the increased chances to go down the field make me believe he will finisher multiple spots higher than he did in 2019. Brady has gone up quite a bit these last few weeks, but at the end of the eighth round, I think he is still a value pick. I personally have him about a round higher than that and when I do mocks, where I have my two starting RB and WR spots, my flex and one of each on the bench secured, this is a guy I end up with on quite a few occasions – even though this usually is the earliest I think about picking a QB, if nobody just falls right into my lap.

Daniel Jones
ADP – 139.50 (QB20)
A name that already was controversial at the time of the actual draft and seems to be a little controversial in this discussion as a fantasy option as well is Daniel Jones. While there are some concerns, that I will get to in a second, let me give you some numbers. In terms of average points per start (12), only ten quarterbacks put up better numbers than Jones did last season. His 18.98 points in those starts were better than what Aaron Rodgers, Tom Brady or Kyler Murray were able to put together. He had three different games with 4+ touchdowns and no picks (Lions, Jets, Washington) and you can’t overlook his effectiveness as a runner. Jones missed out by five carries to reach that 50-mark, but among the ones who did, he would have finished behind only Lamar Jackson with 6.2 yards per rushing attempt. He put up all those numbers despite having a banged up Saquon Barkley, Evan Engram being out for most of the time and getting sacked 38 times on 459 attempts. Now, he was highly inconsistent as a rookie, with those three games of 28+ fantasy points and not reaching 15 in any of the other contests, and his ten fumbles lost not only limited his opportunity to add to the scoring, but also directly lowered his total in the end. With that being said, I still think the offensive line will be better than it was a year ago and Jones’ top five options in the passing game will be healthy at the same time, at least for the start of 2020, which was never the case in year one for him. There are some guys like Darius Slayton, who I expect to break out in his second season, and while new offensive coordinator Jason Garrett will build on the run game, he could also involve his QB more in that area, similar to what they did in Dallas with Dak Prescott for the last few years.

Drew Lock
ADP – 146.43 (QB23)
Before I talk about any of these numbers – the sample size for Drew Lock as a rookie was pretty small. He started the last five games of 2019 and averaged 13.6 points a week, with three games right around that number and two outliers – a 24-point affair at Houston, when he threw 3 TDs in the first half alone in an upset victory, and a 6.6-point blunder in a snowstorm at Kansas City. That is not necessarily something to get super-excited about and I don’t love some of the hype Lock has been receiving this offseason, but it doesn’t yet reflect in his fantasy ADP. The highest he is ranked on any of these platforms is 22nd (ESPN). While he did already have Courtland Sutton and Noah Fant as a rookie, the latter despite being the most productive rookie tight-end, heavily fluctuated with his weekly output, putting up 159 combined yards in two of those weeks and 19 combined in the other three. He will likely take another step, when you look at the history of the position. And now you replace DeSean Hamilton and Tim Patrick, who caught just 53 percent of the targets their way and averaged 6.2 yards per targets, with two stud rookies. Alabama’s Jerry Jeudy was my top-ranked receiver in the draft and create a dependable target due his highly advanced route-running and Penn State’s K.J. Hamler opens up the offense with his blazing speed, while being a nightmare to tackle in open space as part of RPOs for example. Even though Pat Shurmur didn’t last long as a head coach for the Giants, I still like what he can do for a young quarterback, in terms of forcing the opposition to defend the entire field and running more spread looks, which Lock is used to from college. Something Lock had issues with in year one is not accounting for roaming defenders, who didn’t have anybody in their area to cover, which will get better with having more people out on the route. And most importantly, I hope he gets encouraged to give his receivers chances down the field, which he was hesitant to at some point as a rookie.

Others options I like:
Baker Mayfield (ADP 141.07; QB19)
Jared Goff (ADP 144.82; QB23)
Teddy Bridgewater (ADP 147.62; QB24)


https://preview.redd.it/eccs2thzg5k51.png?width=720&format=png&auto=webp&s=2a125404f49a59370f76ddf1f456831b1c13ca31

Running backs:


Jonathan Taylor
ADP – 70.12 (RB24)
There seems to be a split between Jonathan Taylor believers, who watched him dominate college football and think he will take over this Colts backfield, and the ones who think he will be in a committee with Marlon Mack or even like scat-back Nyheim Hines to take on a larger role. Count me as a believer. If I told you there was this running back, who rushed for almost 6200 yards and 50 touchdowns in his three years in college, runs a 4.39 at 225 pounds and was selected in the second round by a team that doesn’t have a long-term answer at quarterback on the roster and could have used some of the edge rushers or corners that went off the board in that range, which role do you think he will have? Marlon Mack is a really solid back and I was actually higher on him than most people coming out of South Florida, but this kid from Wisconsin is special. Last season Mack rushed for 1091 yards in 14 games, yet all but 500 of them came before contact. He finished third in the league in terms of time behind the line of scrimmage at over three seconds and his 4.4 yards per carry, running behind what I believe is the best offensive line in all of football, isn’t overly impressive, plus he has missed at least two games in all three years in the league. There are two concerns for me when it comes to Taylor. First, he didn’t contribute much as a receiver in college, but as a junior he more than doubled his previous output, catching 26 passes for 252 yards and an additional five TDs, while catching the ball pretty natural at the combine as well. The much bigger one is fumbles, as Taylor put the ball on the ground 18 times throughout his time with the Badgers, while Mack didn’t do so once on 261 touches last season. Some of that may have to do with carrying he rock 926 times overall, but that is definitely something to monitor. If he can take care of the ball, even if he doesn’t stay on field on passing downs a whole lot (needs refinement as a protector). I believe he will absolutely be a finalist for Offensive Rookie of the Year, because he has explosiveness, power and big-play ability to make a lot of noise.

David Montgomery
ADP – 71.64 (RB26)
I already talked about Montgomery as one of my breakout candidates for 2020 (LINK). So you can read up on what I like about his skill-set there, but now let’s look at the situation this guy is in. While the Bears doesn’t blow you away with stars all over the field, but they do have one of the most underappreciated receivers in the game in Allen Robinson and another young guy in Anthony Miller, who could be used as a fly sweep threat to bind defenders or as the target on RPOs who will benefit from aggressively flowing defenders in the box. It is a little concerning me that, despite losing Kyle Long, the only addition they made on the offensive line was Germain Ifedi, but they didn’t have Long for three quarters of 2019 either. I think having second-round pick Cole Kmet as your true Y tight-end will help get the Bears backs to the edges at a higher frequency and I think the Matt Nagy offense will be stress defenses more with different personnel sets this season. Most important, Chicago did not add a single running back outside of undrafted free agent Artavis Piece this offseason and I expect Montgomery to take away some of the opportunities Tarik Cohen got last season, who averaged a miniscule 4.7 yards per touch, despite having 79 receptions. So they may use Cohen more as a true slot receiver, but at 5’6”, 190 pounds soaking wet, he will not run as much in-between the tackles (3.3 yards per carry) and Montgomery obviously will get all the goal-line work as well. The second-year back was a missed-tackle machine at Iowa State and when Nagy did allow him to gain some momentum without a defender getting hands on him before he could even cross the line of scrimmage, this guy showed some signs. He can make those subtle adjustements and cuts to not allow defenders to square him up and has the size to break tackles. He is a that I end up with a lot in the middle rounds.

Raheem Mostert
ADP – 77.58 (RB27)
Somebody I was concerned with a few weeks ago, when he asked for a trade and I thought even if he stayed wasn’t on good terms with San Francisco, is Mostert. Now that they have sweetened the pot for him a little bit and he seems to locked in, I think him going in the 8th to 10th round make no sense. Mostert is coming a playoff run, in which he rushed for 336 yards and five touchdowns over three games, but people seem to forget that he also averaged 5.6 yards per rush during the regular season – second-highest behind only Lamar Jackson among players with 100+ attempts – and scored a touchdown every 15th time he touched the ball. Maybe the craziest statistic for Mostert is that in the ten total games he received double-digit carries, only once did he average less than 4.8 yards per attempt. If you look at the offensive line, not only did they their two starting tackles a combined 86 percent of the offensive snaps and I think a healthy Trent Williams could actually be a significant upgrade over what I saw from Joe Staley last year, but they also get starting center Weston Richburg back, who went on IR after week 13. Kyle Shanahan’s offense still goes through the rushing attack, where he is the very best at creating issues for the defense and stacking plays together, and that will be even more apparent without Emmanuel Sanders gone and probably missing Deebo Samuel for a few games early on. The one concern for me is that the Shanahan’s have always had at least two-back systems and there are capable players on that roster, with old friend Tevin Coleman, Jerick McKinnon hopefully finally healthy after he got a big deal from San Fran two years ago and at least one more of the young guys. However, from week 12 on, when he gashed Baltimore’s number-five run defense for 146 yards, Mostert led the team in rush attempts and yards all but once and he has established himself as the top option in my opinion.

J.K. Dobbins
ADP – 112.92 (RB38)
Another rookie that I think gets doubted because of the situation he is in is Dobbins, even though people look at it the wrong way. The Ravens just set a new all-time mark in rushing yards with 3296, which had stood for over 40 years, What people fear about grabbing anybody outside of the top two contributors is that they made up for 72.4 percent of their rushing production over the 15 games they played. However, not only do I believe that number to drop, but even then there were 218 carries left on the table for the rest of the squad. Quarterback Lamar Jackson actually led Baltimore with a QB-record 1206 yards on the ground and while he has shown that he is just a different breed in terms of not even allowing defenders to touch him in one-on-one situations and never showed any weakness getting up after a hit. I think it is very enthusiastic to believe he repeats those 176 carries. The top running back Mark Ingram also had an outstanding season, including 15 touchdowns, but he was on the field for only 45.6 percent of the snaps on offense and now on the wrong side of 30, it’s safe to assume he will give up some of that workload, especially considering there was no special talent on the roster to demand those chances. At the very worst, Dobbins should be able to replace what Gus Edwards did last season and that was worth over 700 rushing yards, averaging 5.3 yards a clip. But this kid was a 2000-yard workhorse at Ohio State last season and I had him as my number two back in the draft, thanks to his combination of explosiveness and strength, while having great ball-security fundamentals. He is a perfect fit in that zone-read heavy offense from shotgun, which he basically played in last season with the Buckeyes and another dual-threat QB. I would not be shocked if he emerges a few weeks into the season and ends up leading this team in rushing.

Antonio Gibson
ADP – 141.61 (RB50)
If you are looking for a really deep sleeper, either if you are a zero-RB advocate or you just have your roster filled out already and just try to grab the player left on the board with the most upside, I think this is a name that has to be on your radar. Antonio Gibson primarily lined up at slot receiver for Memphis last season, but he was most effective taking handoffs and slicing through defenses that way. The explosion he has, the long-speed and that contact balance to bounce off hits are all on a different level to most backs in the league. Now, he has only really run two plays when in the backfield – power and stretch, mostly with another back on the opposite side of the QB in split sets – but he seems to have a natural feel for the position and he can do so much more for an offense. I believe Gibson will be a swiss-army knife for new offensive coordinator Scott Turner, who will move him around the formation, get him the ball on jet sweeps or as a decoy off those or create mismatches with slower defenders, as he comes out of the backfield. I was already pretty high on him, despite having an RB room that went five or six names deep at that point, because I believe he could be on the field for the majority of snaps anyway, thanks to his versatility, but now that Derrius Guice was let go due to some off-the-field stuff, the rookie is even more intriguing to me. When you look at who Washington is bringing back, their leading rushing from 2019 is a 35-year old Adrian Peterson and the next-closest guy is QB Dwayne Haskins with 101. And when you look at receiving yards, after the clear leader in Terry McLaurin, the next two names are RB Chris Thompson, who left in free agency, and Kelvin Harmon, who recently suffered a season-ending injury. So the offense is bound to improve and Gibson should have plenty of opportunities. That is golden for a running back around the 50s.

Other options I like:
Cam Akers (ADP – 93.32; RB32)
Jordan Howard (ADP – 113.18; RB37)
Zack Moss (ADP – 131.88; RB47)


https://preview.redd.it/vsd9i9r6h5k51.png?width=720&format=png&auto=webp&s=589f0bd382f4fa2bbbd40c4d88204348ff1cf05e

Wide receivers:


Calvin Ridley
ADP – 50.08 (WR17)
I’m pretty sure not a lot of people know Calvin Ridley was a top 15 fantasy wide receiver last season based on average points per game (15.2) in non-PPR leagues and top 18 in the two other formats as well. He averaged 9.3 yards per target and converted 47 of his 63 receptions into new first downs, despite his longest catch going for only 36 yards. He is more of a deep threat than that (especially of double-moves) and I would be shocked if he doesn’t have at least one 50-yarder this upcoming season, while also being an excellent red-zone receiver ever since coming into the league. Julio Jones is still the number one receiver on that team and I think the best as an actual player at the position in the world, but the Falcons want to take some pressure off him with Ridley. Atlanta’s top candidate for their WR3 role is Russell Gage, who had a fairly productive second season, but almost half of his yardage total came in the four games he started in place of Ridley. So he will not demand a target share in the same region as Mohamed Sanu, who the Falcons traded away mid-2019. While a lot of it is about Austin Hooper leaving town and I will talk about his replacement in the tight-end segment, this team has by far the highest amount of vacated targets from a year ago at 258. I would not pick guys like Cooper Kupp or Keenan Allen ahead of Ridley and while I have him right around that range among receivers, I have this guy about ten spots higher in my overall rankings, which a full round later in those stages of a draft presents excellent value. I thought the Falcons number two could make that Juju Smith-Schuster jump in his second season, but with injuries that might have just been postponed things by one year and we see less of a difference between him and Julio’s numbers in 2020. I think you can book Ridley for a 1000 yards and around double-digit TDs.

Stefon Diggs
ADP – 65.81 (WR25)
This is one I don’t understand at all. Stefon Diggs “only” finished last season as the WR24 in full-PPR formats (18th in non-PPR), but he was within ten points of the guys that own the six spots above him, while missing one game. That was for a Vikings team that finished with the fourth-lowest pass play percentage (51.7%) and was in the bottom-six in terms of plays run per game (60.5). While Buffalo didn’t pass the ball at an immensely higher rate (about four percent more), they finished top ten in plays run, as they switched to a more up-tempo, 11 personnel attack – and that was without having a true number one and in the process not an ideal two. Diggs finished last season with the second-highest yards per target (12.0) and third in terms of percentage of his team’s air yardage, as the premiere deep threat in all of football. The one real concern here is that Josh Allen was one of the worst deep-ball thrower statistically last season, completing only 24.1 percent of his passes travelling 20+ yards through the air – dead-last according to Pro Football Focus- With that being said, a lot of that had to do with not having that guy, who can create separation vertically, with John Brown not showing that extra gear to gain a step on his defender and nobody else on the roster to average over eight yards per target with at least 15 grabs. Allen is still obviously not the most precise passer in the NFL and he has even more room to grow as a decision-maker at times, but having that guy who can streak downfield on go and post routes – especially in the mold Minnesota used him last season as that backside target on bootlegs – will open up the offense in a major way and Brian Daboll will encourage him to let it fly a few times each week to just let the defense know they need to account for it. I know I’m higher than pretty much anybody, but Diggs is my WR14 and a mid-fourth round pick for me.

Terry McLaurin
ADP – 70.93 (WR26)
A second-year receiver I like a whole lot is this guy from Washington. McLaurin was phenomenal as a rookie. He went for 919 receiving yards and seven touchdowns, despite missing two games and being part of one of the very worst passing attacks in the entire league. His quarterback Dwayne Haskins had a really rough rookie campaign, completing only 58.3 percent of his passes for just over 150 yards per game and the same amount of touchdowns as interceptions (seven). So obviously a lot of this will come down to how much that guy can grow coming into his second season and how that will influence his top target, who he already had built up plenty of chemistry with at Ohio State before joining the same team in the pros. I personally had a top-20 grade on Haskins and think he will make a big jump now that he is in better shape and had a full offseason to watch tape and hopefully be able to work through progressions more quickly. He simply wasn’t ready when thrown out there last season and had a brutal welcome to the NFL. However, even if Ron Rivera decides to go a different route with who lines up under center at some point, the offense should be much more beneficial for the young star receiver. Last season, Washington finished 30th in neutral situation pass rate and 31st in pace, while the Panthers with Scott Turner calling shots were fourth and fifth in those respective categories. Now as the new offensive coordinator in the nation’s capital, I expect this offense to be much more wide open and McLaurin will be his new version of D.J. Moore in that attack, who went for almost 1200 yards in 15 games last year. Right now this kid is going anywhere from the sixth to the ninth round, depending on the platform you use, and I think he should be a fourth-rounder, simply because of the changes offensively and the fact he is their clear-cut number one option.

Marvin Jones
ADP – 111.03 (WR39)
One of the most overlooked receivers this year to me is Marvin Jones. This guy is going between wide receiver 36 and 42 depending on the platform, despite having finished 15th in average fantasy points in PPR-formats last season. Now, he has missed ten combined games over the last two seasons, but in the three years prior he missed only one total game and the last time he played a full 16 contests (2017), he led the league with 18.0 yards per reception. Since coming to Detroit, Jones’ average receptions per game have gone up every single season and over these last three years, he has scored half a touchdown per week. Obviously Kenny Golladay is and will remain the top target in that offense and you would assume the chances for second-year tight-end T.J. Hockenson will increase, already because he was a top-ten pick alone, but Jones also caught passes from Jeff Driskel and David Blough over his final five games rather than the uber-talented Matthew Stafford, during which he averaged 18 yards less per week. While Detroit used their second-round pick on another running back in D’Andre Swift (Georgia) and the offense will be built on the rushing attack, number 11 will frequently be the target off deep play-action and the Lions really only have three relevant receivers on that roster. So at this point, Jones is going as a low WR4 at best and I personally look at him as a nice flex option. Grabbing him a round later than a guy like Julian Edelman and using that other pick for like a high-upside rookie back or maybe a QB/TE you like in that range makes a lot of sense to me. I really like him as a fallback option if you go RB-heavy early on and you only have two dependable receivers on your roster at that point.

Diontae Johnson
ADP – 125.54 (WR43)
I had several candidates to choose from for this final wide receiver spot, but in the end I went with the guy I think could be the best of the bunch and will receive the biggest boost in quarterback play. Diontae Johnson quietly hauled in 59 passes for 680 yards and five touchdowns as a rookie. That was despite the ball being thrown by Mason Rudolph and Devlin Hodges, who combined for just 186.3 passing yards per game (31st in the league) and tying for an NFL-low 4.5 air yards per completion. This year the Steelers get Ben Roethlisberger back under center, who led the league with 5129 passing yards in 2018 and even at 70-80 percent of himself should be a major upgrade over the two guys, who are clearly on the lower end of backup material even. I recently talked about Johnson’s skill-set more in detail and said he was be breakout candidate(LINK!!), because I saw start-stop quickness to win as a route-runner, how slippery he is to put a hand on that punt return ability he displays with the ball in his hands, with the feel for where defenders are coming from. He already made some huge plays as a rookie, often times catching the ball a few yards short of the sticks on shallow crossers and finding a way to convert for his team. Pittsburgh does have Juju Smith-Schuster as the primary target and I believe he will bounce back in a major way, James Washington came onto the scene last season and they also brought in another receiving weapon in flex tight-end Eric Ebron to go with another second-rounder receiver. However, I think Johnson could easily be one of the more productive number two guys for his respective team and at the very least a nice matchup play for your flex spot. Even if he somehow ended up repeating his output from a year ago, he was still the WR39 in PPR formats. If you take that as a baseline and think what Big Ben could do for him, just putting the ball out in front on some double-moves, that could be a great pick in the double-digit rounds, especially considering he led all receivers in separation, according to Next Gen Stats.

Other options I like:
Darius Slayton (ADP – 128.30; WR45)
Mecole Hardman (ADP – 130.83; WR45)
Jalen Reagor (ADP – 142.32; WR53)


https://preview.redd.it/bk77o09eh5k51.png?width=720&format=png&auto=webp&s=c2c8fdc08ec8366b7397bb45e4e942309c302291

Tight-ends:


Hayden Hurst
ADP – 124.06 (TE13)
If I could only choose to tell you about one player in this entire breakdown, this might be my guy. The Falcons just lost Austin Hooper to free agency, after he put up career-highs in targets (97), receptions (75), yards (787) and touchdowns (6). Because of that they spent a second-round pick to acquire what basically was the Ravens’ TE3. That alone tells you how much they wanted him, since they could have used that selection in the draft to address some other areas of need or grab another one in the draft, since only one was off the board at that point. Not saying he isn’t worth it, but that is rare compensation for a player who is third on a team’s depth chart and has barely cracked 500 receiving yards to go with three touchdowns through his first two years in the league. With that being said, Hurst is a former first-round pick and someone who Baltimore actually selected ahead of reigning league MVP Lamar Jackson. The speed, feel as a route-runner and physicality after the catch put the former South Carolina standout at the top of my tight-end board as well and I’m guessing that’s where the Falcons had him too, So based on pure talent, you can argue that he and Hooper are basically at the same level. What makes this guy so intriguing as a value pick for me is the offense he has landed in. Offensive coordinator Dirk Koetter is famous for heavily involving the TE as a volume pass-catcher on stick and hook routes underneath, but also allowing them to work down the seams, where Matt Ryan had a lot of confidence, putting the ball to the back-shoulder of Hooper, who could shield it with his body and come down with the catch. When you look at the target rate of these two guys, the difference is enormous, as Hooper averaged 7.5 looks per game compared to only 2.4 for Hurst in his second season, while the latter averaged almost a full yard more per target. I love this guy as a low-end TE1 as my 13th pick or so of the draft.

Jonnu Smith
ADP – 147.77 (TE21)
While I know it isn’t overly exciting, purely based on receiving yards, finishing 18th at your own position would make me think you get drafted higher than 21rd, but that is the most simplistic and least interesting case for Jonnu Smith. Let me talk you through a couple of other things instead. Of just 45 targets over the 2019 regular season, Smith caught 35 of them for 439 yards and three touchdowns. That left him tied for ninth among all players in the league at 10.0 yards per target and his 8.3 yards after the catch on average was the second-highest number among tight-ends, behind only George Kittle, who is obviously in a different stratosphere. While Tennessee is trying to run it back with a strong offensive line and a battering ram in Derrick Henry behind it, to go with shots off play-action, the Titans last season were 30th in plays run and they had the third-lowest percentage of pass plays (51.2). Those numbers are likely to go up at least a little bit with a more capable passer in Ryan Tannehill being under center for a full season and opposing teams likely selling out to stop the run. So that should result in more opportunities for Smith, who despite seeing a low target share, finished seventh in yards per route run among TEs last season. If you combine his targets with the ones of Delanie Walker until he got hurt, who is now out of the picture for Tennessee, that lands him at 75, which – while I know it doesn’t quite work that way – would result in 732 yards and five TDs if you simply multiply it with the numbers he actually put up on 45 looks. This guy is close to undrafted in a lot of leagues and with the way he started being used down the stretch – streaking downfield more and even taking some handoffs for big gains as a true running back – that gives you a high-upside TE2. Please take him over a second defense or whatever you may think of at that point of your drafts.

Jack Doyle
ADP – 148.51 (TE23)
This is a name that I seem to have a weird fantasy crush on, but when you really look into it, it makes some sense. Doyle may not blow you away statistically, never having reached the 700-yard mark or surpassed five touchdowns in his seven-year career, but he is a very good all-around player, who is on the field all the time. We all remember when Eric Ebron went off for 750 yards and 13 touchdowns in 2018, but a lot of that was thanks to Doyle going down with an injury, since he had been on the field for 81.7 percent of the snaps as long as he was healthy, When he put up career-highs the year prior, he logged over 90 percent of the snaps, and while he wasn’t as effective last season as a full-time starter, he did average over 10 yards per catch and converted two thirds of his catches into first downs. That was with Ebron on the roster and being more of a downfield target, while Doyle was responsible for the dirty-work in the run game and even as a pass-protector. Now, I know the Colts signed Trey Burton this offseason, but he had just 84 receiving yards and no TDs over the one half of 2019 he was available for and should be much less likely to steal targets from what I think is the clear TE1 in this offense still. While yards per target, yards per route run and all those statistics are great to predict what can happen, the one relevant fantasy factor before anything else is how much a player is on the field and I don’t see why Doyle wouldn’t be out there for 80 percent of their offensive plays again. Indianapolis was in 12 personnel 26 percent of the snaps last season (sixth-highest in the league), so even if Burton re-emerges to some degree, this should hold true. And with Philip Rivers coming in, who checked it down to his backs more than any other QB in the league last season, I could see some of that share to going to Doyle leaking out late or curling up over the middle.

Other options I like:
Mike Gesicki (ADP – 137.23; TE15)
Blake Jarwin (ADP – 150.07; TE23)
Chris Herndon (ADP – 150.37; TE25)


Defenses in the comments!


If you enjoyed this content, I would really appreciate if you could visit the original piece - https://halilsrealfootballtalk.com/2020/08/26/fantasy-diamonds-for-2020/
You can also listen to my breakdown on Youtube - https://www.youtube.com/watch?v=JXmJv442hvg&lc=UgxNqkHDOD0Sd5qIGVp4AaABAg&feature=em-comments
submitted by hallach_halil to fantasyfootball [link] [comments]


2020.08.26 20:33 ElaborBR MP 936, de 01 de abril de 2020 – Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda

A MP 936/20 institui o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda e dispõe sobre medidas trabalhistas complementares para enfrentamento do estado de calamidade pública decorrente do COVID-19

Objetivos da MP:
I – preservar o emprego e a renda;

II – garantir a continuidade das atividades laborais e empresariais; e

III – reduzir o impacto social decorrente das consequências do estado de calamidade pública e de emergência de saúde pública.

Medidas do Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda:

I – o pagamento de Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda;

II – a redução proporcional de jornada de trabalho e de salários; e

III – a suspensão temporária do contrato de trabalho.

Criação do Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda, a ser pago nas seguintes hipóteses:

I – redução proporcional de jornada de trabalho e de salário; e

II – suspensão temporária do contrato de trabalho.

Como será o pagamento?

O Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda será de prestação mensal e devido a partir da data do início da redução da jornada de trabalho e de salário ou da suspensão temporária do contrato de trabalho, observadas as seguintes disposições:

I – o empregador informará ao Ministério da Economia a redução da jornada de trabalho e de salário ou a suspensão temporária do contrato de trabalho, no prazo de dez dias, contado da data da celebração do acordo;

II – a primeira parcela será paga no prazo de trinta dias, contado da data da celebração do acordo, desde que a celebração do acordo seja informada no prazo a que se refere o inciso I; e

III – o Benefício Emergencial será pago exclusivamente enquanto durar a redução proporcional da jornada de trabalho e de salário ou a suspensão temporária do contrato de trabalho.

E se o Empregador não prestar as informações no prazo de dez dias da celebração do acordo?

I – ficará responsável pelo pagamento da remuneração no valor anterior à redução da jornada de trabalho e de salário ou da suspensão temporária do contrato de trabalho do empregado, inclusive dos respectivos encargos sociais, até a que informação seja prestada;

II – a data de início do Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda será fixada na data em que a informação tenha sido efetivamente prestada e o benefício será devido pelo restante do período pactuado; e

III – a primeira parcela, observado o disposto no inciso II, será paga no prazo de trinta dias, contado da data em que a informação tenha sido efetivamente prestada.

O Ministério da Economia disciplinará a forma de transmissão das informações e comunicações pelo empregador, além da concessão e pagamento do Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda.

De quanto será o valor?

O valor do Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda terá como base de cálculo o valor mensal do seguro-desemprego a que o empregado teria direito, observadas as seguintes disposições:

I – na hipótese de redução de jornada de trabalho e de salário, será calculado aplicando-se sobre a base de cálculo o percentual da redução; e

II – na hipótese de suspensão temporária do contrato de trabalho, terá valor mensal:

a) equivalente a cem por cento do valor do seguro-desemprego a que o empregado teria direito, na hipótese prevista no caput do art. 8º da MP; ou

b) equivalente a setenta por cento do seguro-desemprego a que o empregado teria direito, na hipótese prevista no § 5º do art. 8º da MP.

Nos casos em que o cálculo do benefício emergencial resultar em valores decimais, o valor a ser pago deverá ser arredondado para a unidade inteira imediatamente superior.

Como se dá o cálculo do Seguro Desemprego?

O valor que o trabalhador desligado irá receber dependerá da média salarial dos três meses anteriores à demissão, respeitado o salário mínimo e não podendo ser superior a R$ 1.813,03.

Assim, se o resultado da média salarial para o cálculo do seguro-desemprego for:

Até R$ 1.599,61: multiplica-se o salário médio por 0,8 (80%)
De R$ 1.599,62 a R$ 2.666,29: o que exceder R$ 1.599,61 será multiplicado por 0,5 (50%) e somado a R$ 1.279,69
Acima de R$ 2.666,29: a parcela mensal será de R$ 1.813,03.
Obs: O trabalhador recebe entre 3 e 5 parcelas, dependendo do tempo trabalhado e de quantas vezes já fez o pedido.

Como se dará a redução proporcional de jornada de trabalho e de salário?

As empresas poderão acordar a redução proporcional da jornada de trabalho e de salário de seus empregados, por até noventa dias, observados os seguintes requisitos:

I – preservação do valor do salário-hora de trabalho;

II – pactuação por acordo individual escrito entre empregador e empregado, que será encaminhado ao empregado com antecedência de, no mínimo, dois dias corridos; e

III – redução da jornada de trabalho e de salário, exclusivamente, nos seguintes percentuais:
25%;
50%
75%
Parágrafo único. A jornada de trabalho e o salário pago anteriormente serão restabelecidos no prazo de dois dias corridos, contado:

I – da cessação do estado de calamidade pública;

II – da data estabelecida no acordo individual como termo de encerramento do período e redução pactuado; ou

III – da data de comunicação do empregador que informe ao empregado sobre a sua decisão de antecipar o fim do período de redução pactuado.

E a suspensão temporária do contrato de trabalho ?

As empresas poderão acordar a suspensão temporária do contrato de trabalho de seus empregados, pelo prazo máximo de 60 dias, que poderá ser fracionado em até dois períodos de 30 dias.

A suspensão temporária do contrato de trabalho será pactuada por acordo individual escrito entre empregador e empregado, que será encaminhado ao empregado com antecedência de, no mínimo, dois dias corridos.

Durante o período de suspensão temporária do contrato, o empregado:

fará jus a todos os benefícios concedidos pelo empregador aos seus empregados; e
ficará autorizado a recolher para o Regime Geral de Previdência Social na qualidade de segurado facultativo.
O contrato de trabalho será restabelecido no prazo de dois dias corridos, contado:

I – da cessação do estado de calamidade pública;

II – da data estabelecida no acordo individual como termo de encerramento do período e suspensão pactuado; ou

III – da data de comunicação do empregador que informe ao empregado sobre a sua decisão de antecipar o fim do período de suspensão pactuado.

Se durante o período de suspensão temporária do contrato de trabalho o empregado mantiver as atividades de trabalho, ainda que parcialmente, por meio de teletrabalho, trabalho remoto ou trabalho à distância, ficará descaracterizada a suspensão temporária do contrato de trabalho.

Importante!

A empresa que tiver auferido, no ano-calendário de 2019, receita bruta superior a R$ 4.800.000,00 (quatro milhões e oitocentos mil reais), somente poderá suspender o contrato de trabalho de seus empregados mediante o pagamento de ajuda compensatória mensal no valor de trinta por cento do valor do salário do empregado, durante o período da suspensão temporária de trabalho pactuado.

Disposições comuns às medidas do Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda:

O Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda poderá ser acumulado com o pagamento, pelo empregador, de ajuda compensatória mensal, em decorrência da redução de jornada de trabalho e de salário ou da suspensão temporária de contrato de trabalho de que trata esta Medida Provisória, sendo que a Ajuda Mensal:

I – deverá ter o valor definido no acordo individual pactuado ou em negociação coletiva;

II – terá natureza indenizatória;

III – não integrará a base de cálculo do imposto sobre a renda retido na fonte ou da declaração de ajuste anual do imposto sobre a renda da pessoa física do empregado;

IV – não integrará a base de cálculo da contribuição previdenciária e dos demais tributos incidentes sobre a folha de salários;

V – não integrará a base de cálculo do valor devido ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço – FGTS, instituído pela Lei nº 8.036, de 11 de maio de 1990, e pela Lei Complementar nº 150, de 1º de junho de 2015; e

VI – poderá ser excluída do lucro líquido para fins de determinação do imposto sobre a renda da pessoa jurídica e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido das pessoas jurídicas tributadas pelo lucro real.

Os empregados terão estabilidade?

Sim, a garantia provisória no emprego ao empregado que receber o Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda, em decorrência da redução da jornada de trabalho e de salário ou da suspensão temporária do contrato de trabalho, nos seguintes termos:

durante o período acordado de redução da jornada de trabalho e de salário ou de suspensão temporária do contrato de trabalho; e após o restabelecimento da jornada de trabalho e de salário ou do encerramento da suspensão temporária do contrato de trabalho, por período equivalente ao acordado para a redução ou a suspensão.
Importante: A dispensa sem justa causa que ocorrer durante o período de garantia provisória no emprego previsto no caput sujeitará o empregador ao pagamento, além das parcelas rescisórias previstas na legislação em vigor, de indenização no valor de:

I – 50% do salário a que o empregado teria direito no período de garantia provisória no emprego, na hipótese de redução de jornada de trabalho e de salário igual ou superior a 25% e inferior a 50%

II – 75% por cento do salário a que o empregado teria direito no período de garantia provisória no emprego, na hipótese de redução de jornada de trabalho e de salário igual ou superior a 50% e inferior a 75%; ou

III – 100% do salário a que o empregado teria direito no período de garantia provisória no emprego, nas hipóteses de redução de jornada de trabalho e de salário em percentual superior a 75% ou de suspensão temporária do contrato de trabalho.

Poderão ser aplicados percentuais de redução de jornada e salário distintos aos previstos pela MP 936/20?

Sim, por meio de negociação coletiva. Porém, nesta hipótese o Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda de que trata os art. 5º e art. 6º será devido nos seguintes termos:

I – sem percepção do Benefício Emergencial para a redução de jornada e de salário inferior a 25%;

II – 25% por cento sobre a base de cálculo prevista no art. 6º para a redução de jornada e de salário igual ou superior a 25% e inferior a 50%;

III – de 50% sobre a base de cálculo prevista no art. 6º para a redução de jornada e de salário igual ou superior a 50% e inferior a 70%; e

IV – de 75% sobre a base de cálculo prevista no art. 6º para a redução de jornada e de salário superior a 75%.

As convenções ou os acordos coletivos de trabalho celebrados anteriormente poderão ser renegociados para adequação de seus termos, no prazo de dez dias corridos, contado da data de publicação desta Medida Provisória.

No caso de acordos individuais de redução de jornada de trabalho e de salário ou de suspensão temporária do contrato de trabalho, pactuados nos termos desta Medida Provisória, os sindicatos deverão ser comunicados pelas Empresas, no prazo de até dez dias corridos, contado da data de sua celebração.

Trabalhadores elegíveis

As medidas de que trata o art. 3º da MP 936/20 serão implementadas por meio de acordo individual ou de negociação coletiva aos empregados:

com salário igual ou inferior a R$ 3.135,00 (três mil cento e trinta e cinco reais); ou
portadores de diploma de nível superior e que percebam salário mensal igual ou superior a duas vezes o limite máximo dos benefícios do Regime Geral de Previdência Social, ou seja, R$ 12.202,12.
Para os empregados não enquadrados nos itens acima, as medidas previstas no art. 3º somente poderão ser estabelecidas por convenção ou acordo coletivo, ressalvada a redução de jornada de trabalho e de salário de 25%, poderá ser pactuada por acordo individual.

Os aprendizes e os trabalhadores com jornada parcial também estão englobados.

Período da redução salarial e da suspensão temporária

O tempo máximo de redução proporcional de jornada e de salário e de suspensão temporária do contrato de trabalho, ainda que sucessivos, não poderá ser superior a 90 dias.

Trabalhador Intermitente

O empregado com contrato de trabalho intermitente formalizado até a data de publicação da MP 936/20 fará jus ao benefício emergencial mensal no valor de R$ 600,00 (seiscentos reais), pelo período de três meses.

https://elaborbr.com/mp-936-de-01-de-abril-de-2020-programa-emergencial-de-manutencao-do-emprego-e-da-renda/
submitted by ElaborBR to u/ElaborBR [link] [comments]


2020.08.26 20:21 ElaborBR Impactos trabalhistas no enfrentamento do COVID-19

Desde o domingo, dia 22 de março de 2020, em que o Governo Federal assinou a Medida Provisória 927/20, inúmeras dúvidas inundaram a segunda-feira dos escritórios de advocacia, empresas de contabilidade, departamento de Recursos Humanos, Departamento Pessoal, firmas de auditoria e em especial, a dos trabalhadores.

Algumas dúvidas versavam sobre questões legais, mas seguramente a maior parte dos questionamentos era no sentido de: como implantar as medidas trazidas pela MP de maneira mais segura tanto para a empresa como para os colaboradores?

Como meu sistema está ou não preparado? Como eu poderia rodar em grande escala as férias dos colaboradores sem o pagamento do terço constitucional, já que posso pagar até o dia 20/12/20? E lá adiante, o sistema de folha de pagamento conseguirá vincular o pagamento do terço às férias corretamente? E se tiver aumento de salário? Pago o terço constitucional com o salário novo ou com o salário da época da concessão das férias?

Um cliente me ligou hoje pela manhã e perguntou: será que o Protheus já está preparado para calcular as férias de acordo com a MP? Respondi: fique tranquilo… de domingo à noite até hoje, quarta-feira pela manhã … Nem Protheus, nem qualquer outro sistema. Nós dois rimos… de nervoso… rs.

Depois de dois dias de leituras, pesquisas e resposta às consultas de nossos clientes, resolvemos trazer algumas das questões debatidas.

Não temos a pretensão de dirimir todos os aspectos, impactos e desafios que as empresas e trabalhadores enfrentarão pela frente. Mas é um apoio, um suporte a quem terá que ser um instrumento da gestão de mudança sem perder de vista o atendimento ao compliance e empatia com a posição e as vidas dos colaboradores dentro e fora da Empresa.

ENTENDENDO OS IMPACTOS TRABALHISTAS NO ENFRENTAMENTO DO CORONAVIRUS – COVID19 MEDIDA PROVISÓRIA 927/2020

1) Quais são as principais medidas trabalhistas trazidas pela Medida Provisória 927/2020 no enfrentamento do coronavírus (COVID-19) ?

O artigo 3º. da MP estabelece que poderão ser adotadas pelos empregadores, dentre outras, as seguintes medidas:

I – o teletrabalho;

II – a antecipação de férias individuais;

III – a concessão de férias coletivas;

IV – o aproveitamento e a antecipação de feriados;

V – o banco de horas;

VI – a suspensão de exigências administrativas em segurança e saúde no trabalho;

VII – o direcionamento do trabalhador para qualificação profissional (REVOGADO PELA MEDIDA PROVISÓRIA 928/20); e

VIII – o diferimento do recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço – FGTS.

Importante destacar o artigo 2º. da MP 927/20:

“Durante o estado de calamidade pública a que se refere o art. 1º, o empregado e o empregador poderão celebrar acordo individual escrito, a fim de garantir a permanência do vínculo empregatício, que terá preponderância sobre os demais instrumentos normativos, legais e negociais, respeitados os limites estabelecidos na Constituição”

2) Neste sentido, existe a possibilidade de uma discussão jurídica nos tribunais sobre a tal preponderância do acordo individual sobre as leis, decretos, instruções normativas, portarias, etc.?

Em um primeiro momento, entendemos que dependerá muito da forma, do conteúdo e da essência dos acordos que serão firmados com o trabalhador, ainda que o objetivo principal seja nobre, que é o da preservação do emprego. Portanto nossa resposta é que SIM, poderá haver a chamada judicialização de alguma das medidas trazidas pela MP.

Uma forma de minimizar a exposição é obter o maior número de elementos e subsídios que auxiliem na tomada de decisão. O envolvimento do consultor trabalhista e principalmente do vosso assessor jurídico são fundamentais neste processo.

TELETRABALHO (HOME OFFICE OU TRABALHO REMOTO)

3) Como devemos gerir o regime de home office?

O assunto teletrabalho é bem amplo, mas vamos focar nas questões da MP:

O regime de trabalho presencial poderá ser alterado para o de teletrabalho independentemente de acordos individuais ou coletivos, e deverá ser será notificado ao empregado com antecedência de, no mínimo, 48 horas, por escrito ou por meio eletrônico.
As disposições relativas à responsabilidade pela aquisição, pela manutenção ou pelo fornecimento dos equipamentos tecnológicos e da infraestrutura necessária e adequada à prestação do teletrabalho e ao reembolso de despesas arcadas pelo empregado serão previstas em contrato escrito, firmado previamente ou no prazo de trinta dias, contado da data da mudança do regime de trabalho.
Os estagiários e aprendizes não ficaram de fora e também estão contemplados neste regime.
4) Podemos suspender a concessão do Vale Transporte e do Vale Refeição aos empregados que estão em home office?

O vale transporte poderá ser suprimido, tendo em vista que a finalidade do transporte (residência x trabalho x residência) não ser aplicável ao trabalhador que está no regime do teletrabalho.
O vale refeição deve ser mantido, pois o trabalhador está trabalhando e mesmo que remotamente, ele precisa se alimentar. Deverá ainda ser observado os intervalos para descanso e alimentação. Ao indagar se devemos continuar fornecendo o vale refeição, muitos empregadores demonstram ter uma ideia distorcida do próprio home office.
5) As empresas que forneciam aos empregados a alimentação na modalidade de restaurante próprio ou convênio, precisam fornecer o benefício ao trabalhador colocado no regime de teletrabalho?

Nada muda, o empregado continua tendo que se alimentar, por isso é necessário que a empresa conceda a alimentação, devendo avaliar internamente a modalidade e procedimento que será adotado.

6) E em relação a parte de Saúde e Segurança do Trabalho?

Como o momento é extremamente delicado, as empresas provavelmente não tiveram o tempo necessário para tomar todas as medidas necessárias, em especial ao mobiliário: mesa, cadeira, fones (se necessários), por exemplo.

Sabemos que existem empregados trabalhando sentados na cama, onde toda a questão ergonômica fica prejudicada. A longo prazo esta posição incorreta poderá se tornar uma doença profissional. Por isso é importante que o empregador olhe com cuidado para estes aspectos.

7) As empresas são responsáveis pelo fornecimento da infraestrutura e equipamentos necessários ao desempenho das tarefas em home office?

Sim. Inclusive deverá constar no contrato escrito como se dará o fornecimento destes equipamentos e materiais, em especial ao reembolso das despesas com a utilização da internet, por exemplo.

Para fins de benchmarking, alguns dos nossos clientes adotaram o modelo de reembolso mensal das despesas, cujo valor tem flutuado entre R$ 50,00 a R$70,00.

8) O reembolso de despesas deverá constar em folha de pagamento?

Sim, conforme prevê o artigo 225 do Decreto 3.048/99, a empresa é também obrigada a:

I – preparar folha de pagamento da remuneração paga, devida ou creditada a todos os segurados a seu serviço, devendo manter, em cada estabelecimento, uma via da respectiva folha e recibos de pagamentos;

9º A folha de pagamento de que trata o inciso I do caput, elaborada mensalmente, de forma coletiva por estabelecimento da empresa, por obra de construção civil e por tomador de serviços, com a correspondente totalização, deverá:

IV – destacar as parcelas integrantes e não integrantes da remuneração e os descontos legais

Embora algumas empresas utilizem o modelo de relatório de reembolso de despesas (RD), conservadoramente nossa posição é a de que todo pagamento realizado ao colaborador deve transitar em folha de pagamento, o que não significa dizer que deverá ter todas as incidências (INSS, FGTS e IRRF). Importante as empresas se atentarem às previsões existentes no Decreto 3.048/99 e no Decreto 9.580/18.

9) Devo controlar o horário de trabalho ou adotar o cartão de ponto aos empregados colocados em regime de teletrabalho?

De acordo com a Lei 13.467/17, conhecida como lei da reforma trabalhista e que alterou a CLT em diversos pontos, os empregados em regime de teletrabalho não estão abrangidos pelo instituto do controle de jornada nem de horário. Então a resposta é não, não há a necessidade de controle de horário, embora algumas empresas estejam aplicando sim o controle, seja pela marcação via mobile ou via time sheet.

Neste momento, o maior desafio dos gestores é medir a produtividade de cada colaborador. Sabemos que nem todos têm o perfil para trabalhar em casa, mas não podemos esquecer que as crianças também estão fazendo “home office”!

Por isso é extremamente relevante que as empresas comuniquem aos seus trabalhadores como se dará o trabalho em home-office, as condutas, posturas, comunicação com clientes, pares e gestores, etc.

Sem dúvida quando tudo isso passar as empresas olharão o trabalho em home office de uma forma muito diferente. Uma nova forma de trabalho está nascendo.

FÉRIAS

As férias poderão ser concedidas por vontade do empregador, devendo o trabalhador ser comunicado com antecedência mínima de 48 horas, por escrito ou meio eletrônico.
Não poderão ser inferior a 5 dias.
Poderá ser antecipado períodos aquisitivos futuros, mediante acordo individual escrito.
Os colaboradores pertencentes ao grupo de risco devem ser priorizados na concessão ou antecipação das férias,
A concessão do abono pecuniário (venda de 1/3 das férias) ficará sujeita a concordância do empregador.
O empregador poderá pagar o 1/3 constitucional até a data de pagamento da gratificação natalina, também conhecido como 13º. Salário, ou seja, até 20/12/20.
O pagamento da remuneração das férias poderá ser realizado até o 5º. dia útil do mês subsequente ao início do gozo das férias.
Em caso de férias coletivas, não será necessário realizar a comunicação prévia ao Ministério da Economia e aos Sindicatos representativos.
Porém há a necessidade de comunicar aos empregados contemplados pelas férias coletivas com antecedência de, no mínimo, 48 horas.
Os RH´s devem se antecipar e verificar junto aos seus respectivos fornecedores de folha de pagamento as questões relacionadas ao cálculo e geração das férias nos moldes trazidos pela MP.

FERIADOS

As empresas poderão antecipar o gozo de feriados não religiosos federais, estaduais, distritais e municipais e deverão notificar, por escrito ou por meio eletrônico com antecedência de, no mínimo, 48 horas mediante indicação expressa dos feriados aproveitados.
Os feriados também poderão ser utilizados para compensação do saldo em banco de horas.
No caso dos feriados religiosos, este deverá ter concordância dos colaboradores mediante acordo individual e por escrito.
Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

BANCO DE HORAS

Ficam autorizadas a interrupção das atividades pelo empregador e a constituição de regime especial de compensação de jornada, por meio de banco de horas, em favor do empregador ou do empregado, estabelecido por meio de acordo coletivo ou individual formal, para a compensação no prazo de até 18 meses, contado da data de encerramento do estado de calamidade pública.
A compensação de tempo para recuperação do período interrompido poderá ser feita mediante prorrogação de jornada em até duas horas, que não poderá exceder 10 horas diárias.

SUSPENSÃO DE EXIGÊNCIAS ADMINISTRATIVAS EM SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO

Suspensão da obrigatoriedade da realização dos exames médicos ocupacionais, clínicos e complementares, exceção feita aos exames demissionais.
O exame demissional poderá ser dispensado caso o exame médico ocupacional mais recente tenha sido realizado há menos de cento e oitenta dias.
Os demais exames (admissionais, mudança de função, retorno de afastamento e periódicos) deverão ser realizados no prazo de 60 dias após o contado da data de encerramento do estado de calamidade pública.
Na hipótese de o médico coordenador do PCMSO considerar que a prorrogação representa risco para a saúde do empregado, o médico indicará ao empregador a necessidade de sua realização.
Ficam suspensos também os treinamentos previstos nas Normas Regulamentadoras (como o treinamento da CIPA por exemplo) e deverão ser realizados no prazo de 90 dias após o contado da data de encerramento do estado de calamidade pública.
Os treinamentos poderão ser realizados na modalidade de ensino a distância e caberá ao empregador observar os conteúdos práticos, de modo a garantir que as atividades sejam executadas com segurança.
Entendemos que alguns treinamentos nos parece de difícil aplicação pois como seria possível observar os conteúdos práticos de um treinamento para trabalho em altura ou espaço confinado ?

Os processos eleitorais da CIPA ficam suspensos até o encerramento do estado de calamidade pública, assim como os processos eleitorais em curso.

POSTERGAÇÃO DO DEPÓSITO DO FGTS

Fica suspensa a exigibilidade do recolhimento do FGTS pelos empregadores, referente às competências de março, abril e maio de 2020.
O recolhimento das competências de março, abril e maio de 2020 poderá ser realizado de forma parcelada, sem a incidência da atualização, da multa e dos encargos.
O pagamento das obrigações referentes às competências mencionadas será quitado em até seis parcelas mensais, com vencimento no sétimo dia de cada mês, a partir de julho de 2020.
Em caso de rescisão do contrato de trabalho, as Empresas deverão depositar os valores correspondentes ao empregado desligado e a eventual multa de 40% do FGTS, sem incidência da multa e dos encargos devidos.
Os prazos dos certificados de regularidade emitidos anteriormente à data de entrada em vigor desta Medida Provisória serão prorrogados por noventa dias.

OUTRAS DISPOSIÇÕES

Fica permitido aos estabelecimentos de saúde, mediante acordo individual escrito, mesmo para as atividades insalubres e para a jornada de doze horas de trabalho por trinta e seis horas de descanso:
prorrogar a jornada de trabalho;
adotar escalas de horas suplementares entre a décima terceira e a vigésima quarta hora do intervalo interjornada, sem que haja penalidade administrativa, garantido o repouso semanal remunerado.
As horas suplementares computadas em decorrência da adoção das medidas previstas acima poderão ser compensadas, no prazo de dezoito meses.
Os casos de contaminação pelo coronavírus (COVID-19) não serão considerados ocupacionais, exceto mediante comprovação do nexo causal.
Os acordos e as convenções coletivos vencidos ou vincendos, no prazo de cento e oitenta dias, contado da data de entrada em vigor da MP, poderão ser prorrogados, a critério do empregador, pelo prazo de noventa dias, após o termo final deste prazo.
Durante o período de cento e oitenta dias, contado da data de entrada em vigor da Medida Provisória, os Auditores Fiscais do Trabalho do Ministério da Economia atuarão de maneira orientadora, exceto quanto às seguintes irregularidades:
I – falta de registro de empregado, a partir de denúncias;

II – situações de grave e iminente risco, somente para as irregularidades imediatamente relacionadas à configuração da situação;

III – ocorrência de acidente de trabalho fatal apurado por meio de procedimento fiscal de análise de acidente, somente para as irregularidades imediatamente relacionadas às causas do acidente; e

IV – trabalho em condições análogas às de escravo ou trabalho infantil.

https://elaborbr.com/impactos-trabalhistas-no-enfrentamento-do-covid-19/
submitted by ElaborBR to u/ElaborBR [link] [comments]


2020.08.24 03:06 zephrot Diário de uma queda

Meu primeiro conto senão me engano, 8 anos atrás, resolvi revisar e mudar ele, masss antes disso quis postar a versão antiga antes da nova surgir, acho que é o certo a se fazer, espero que você ache minimamente interessante. :)

"Você é puro? Livre de pecados? Pronto para estar perto do nosso e único Deus? Se sim, zephyr É seu lugar"

Essa frase foi lançada desde o dia 1 de zephyr, uma bela mentira lançada para encobrir uma cidade podre por dentro, o que supostamente seria um templo no céu se tornou o túmulo de muitos, fora da casa em que me encontro ouço os sons de tiros e gritos, resultados da revolta contra o profeta, o cheiro de sangue invade pela janela, a cada poucos segundos ouço gotas de sangue e gemidos vindo de Arthas, o desgraçado demora pra morrer.
Não que isso seja ruim, demorei 10 anos para encontrar e matar o filho da puta, e ainda não me sinto satisfeito, não depois do que fizeram com minha família.
Dizem que acordar com uma visão do céu e sinal de boa sorte… creio que se isso fosse verdade eu teria sorte por toda minha vida.
Crescer nas nuvens teve suas alegrias, momentos perfeitos naquela cidade utópica criada pelos ideais de um fanático, uma cidade livre de pecadores, livre de raças inferiores, ali nos estávamos perto de Deus e ele perto de nos. Zephyr era seu nome, a joia do céu, a cidade livre de pecados, sua historia de origem? Bom, a real historia eu fui descobrir depois de muito tempo, mas a versão que nos era contada por nossos pais era a seguinte:
"Décadas atrás, quando o mundo estava perdido em guerra, uma criança nasceu em meio ao caos, uma criança que viria a ser nosso profeta, aquele que fundou nossa joia, nossa Zephyr. Sua infância perdida em meio a violência, se fez homem cedo e buscou em Deus refugio, e nosso amado Deus não deixaria tal criança sofrer em vão, a essa mesma criança foram dadas visões, visões na quais se via Zephyr. já como jovem iniciou a busca pela terra prometida ate se dar conta de que ele seria aquele que iria construi-la. E assim ele achou a entidade, o espírito do oeste, aquele que nos mantém no ar"
Se você achou vago, não se assuste, ele fez de tudo para deixar a narrativa aceitável, talvez tenha falhado em deixar convincente porem mesmo assim todos aqueles em Zephyr eram fiéis ao seu profeta... Pelo menos ele assim pensava. A historia não esta totalmente errada, na época como criança eu mesmo acreditava e orava pelo profeta, mas me perdoem, eu era tolo, e como tolo eu errei.
Com amor: Donnie
O cotidiano da minha infância seguia uma rotina bem simples, durante a semana aulas do começo da manha ate o fim da tarde, sábado passeios ocasionais com colegas de classe, aos domingos sempre tínhamos a santa missa, a qual todos os moradores de Zephyr eram obrigados a ir, isso resume minha vida desde os 8 aos 15 anos, mas uma hora ou outra a realidade bate em nossa porta.
Dia 30 de julho sempre foi uma data especial em minha casa já que marcava tanto o casamento de meus pais quanto o aniversario de minha irmã, Angie, ela era a nossa luz de cada dia, não importava o que acontecesse ela sempre sorria, sempre nos alegrava. Meu nome é Donnie, junto com Angie e meus pais Magnus e Cristine nos éramos a família Carter, uma família até que bem respeitada em nossa cidade, meu pai sendo um conhecido arquiteto e minha mãe uma dona de casa muito conhecida por seus doces, éramos em geral uma família feliz que ate esse ponto não tinha sido tocada por aquilo que Zephyr escondia.
Nossa cidade tinha uma ligação com o mundo terrestre graças aos dirigíveis, e logo abaixo de Zephyr havia uma pequena ilha onde ficava um terminal de abastecimento para nossos meios de locomoção além de uma pequena praia onde famílias podiam ir visitar e passar uma tarde agradável na areia ou no mar, contudo esse era o limite que o Profeta nos deu, qualquer contado maior com o povo da superfície podia nos influenciar no caminho do pecado, entretanto não era incomum nossa pequena ilha no meio do mar ser visitada por pessoas de grandes países, que são em sua maioria cheios de cidades, as que mais ouvíamos falar quando crianças eram Nova Iorque, Londres, Paris, e de um pequeno pais chamado Cuba, também não era incomum pessoas de cor aparecem por lá, mas logo eram detidas, pois de acordo com o Profeta, Deus marcou os pecadores com cores e características diferentes das nossas para que assim não nos envolvêssemos com o tipo errado de amizade.
Agora que expliquei o que e como funcionava a ilha, voltemos ao ponto em que parei, naquele dia para comemorar seu aniversario Angie quis descer ate a praia, ela amava a agua, desde pequena não gostava quando nossa mãe a tirava da banheira, ela era uma criança tão pura, fazendo seus 12 anos naquele mesmo dia. Como era seu aniversario meus pais não tinham como dizer não, escolhemos o primeiro dirigível das 9 da manha e descemos ate a praia, um detalhe muito importante era a maneira como minha relação com Angie funcionava, não era a típica relação de irmãos onde sempre há brigas, nos sempre apoiamos um ao outro, não importasse o que fosse, era tudo tão lindo ao lado de minha irmã, nosso percurso no ar levou cerca de 10 minutos, a excitação dela era palpável no momento em que ela viu o mar, meus pais como sempre abraçados e sorrindo ao ver o sorriso em seu rosto, pode parecer que meus pais não me davam bola, mas aquele dia era deles e dela, e eu me contentava por vê-los felizes, isso era mais que suficiente para mim, ao desembarcar no hangar de pouso a primeira coisa em nosso campo de visão foram as lojas da ilhas, um verdadeiro parque de diversão para Angie, só não era o mesmo para o bolso do meu pai.
Nossa primeira parada foi o carrinho de sorvete, uma tradição de nossa família toda vez que íamos ate lá. Angie avistou um vestido florido cheio de cores numa loja próxima, creio que ao ver isso a carteira de meu pai já começou a se preparar, devo mencionar que nos não éramos pobres, mas também não ricos como os Lannis ou os Bariens, mas vivíamos bem só que meu pai era mão de vaca mesmo. Creio que não seja necessária uma descrição detalhada de nosso dia na praia, comemos um belo café da manha, meus pai ficaram na areia abraçados enquanto eu e minha irmã estávamos no mar, pouco depois almoçamos ali mesmo na areia, a única parte realmente relevante dessa tarde foi que o capitão da guarda de Zephyr estava por perto e veio nos cumprimentar, seu nome? Arthas Lannis, um membro de uma das famílias mais ricas de zephyr, aquele filha da puta, pode ter demorado mas ele teve o que mereceu. Quando começou a escurecer meus pais decidiram que já era hora de irmos, e assim pegamos o próximo dirigível de volta para nossa cidade nos céus.
Lembram do amor de minha irmã por rosas? Eu não podia deixar isso passar em branco, assim que chegamos em nossa casa, pedi ao meus pais se poderíamos dar uma volta enquanto eles descansavam (eu sabia que eles queriam um tempo a sós) então foi fácil convencer eles, assim que eles liberaram saímos de casa, queria leva-la aos jardim da ilha do cardeal, esse era o bairro onde os membros do culto do Profeta moravam, então tínhamos que entrar as escondidas, mas valia a pena, eu sabia qual seria a reação dela ao ver o mar de rosas vermelhas daquele jardim, atravessamos a ilha onde nosso bairro se encontrava e fomos pela ilha comercial chamada de Lazaro, caso esteja confuso entender nossa cidade era dividida em ilhas flutuantes interligadas por bondinhos ou pontes, existiam dezenas de ilhas com vários tamanhos e utilidades diferentes, mas a mais imponente de todas era a ilha do Iluminado, chamada assim já que seu único habitante era ninguém mais ninguém menos do que o Profeta, entretanto não era permitido perambular perto daquela ilha, e isso nem mesmo eu ousava desobedecer, ao chegar na ponto que ligava Lazaro com Cardeal, tomamos cuidado para que ninguém nos visse e assim adentramos a ilha, ao passar pelo portao rodeado de madressilvas, logo ali na nossa frente, estava o que prometi a Angie, o mar de rosas mais lindo que jamais fora visto, lhe avisei que podia pegar apenas uma rosa para levar de lembrança, ela escolheu uma linda rosa vermelha bem gorda e sem nenhuma mancha. Ali estava ela, em pleno êxtase de animação ao segurar rosa em suas mãos, contudo, a realidade sempre bate em nossa porta não e mesmo? E foi assim que ela bateu na nossa. Um grito não muito longe de onde estávamos no alertou de que algo estava errado, puxei minha irmã pela manga e fui o mais rápido e silencioso possível em direção, esse foi meu primeiro erro, e paguei caro por ele, sem perceber acabei nos levando em direção do grito, ao chegar na intersecção das ilhas, bem em frente da ponte havias uma figura escura mesmo sendo iluminada por um poste, atrás dele um pouco retorcida havia uma criança chorando baixo, três homens carregando armas surgiram na frente do homem escuro, que mais tarde soube que na verdade ele era um afro descendente, o mais chamativo dos três homens que surgiram ira o conhecido Arthas Lannis.
Arrastei Angie comigo para trás de um banco perto da ponte, pensei que fosse ser possível esperar ali ate o que quer que fosse acontecer ali acabasse, esse foi meu segundo erro, mesmo de não muito perto pude ouvir a conversa entre eles:
– Por favor, minha filha e inocente, deixa-a ir – o tom de suplica em sua voz pegou de surpresa.
– A deixar ir? Ela carrega sua cor, a cor de um pecador, pelo bem de Zephyr não posso permitir esse tipo de gente em nossa cidade – quem falou isso? O capitão Arthas em pessoa, cuja frieza soava cortante.
– Meu Deus, protegei seu servo.. – antes dele prosseguir Arthas o acertou com uma coronhada.
– Quem você pensa que e para pronunciar o nome de Deus em vão? Raça imunda – uma segunda coronhada, dessa vez a menina começou a chorar de verdade. – Vão para o inferno, lugar onde o resto da sua raça te encontrara em breve. Guardas..
– Porque? – tanto eu e os guardas não sabiam em que reparar, na pergunta, ou na pessoa que a fez – Porque fazer isso com eles? Ele só esta protegendo ela – lá estava Angie, segurando sua rosa com ambas as mãos na espera de uma resposta;
Arthas foi quem se recuperou antes e disse:
– Vá para casa pequena, você não tem nada a ver isso – não havia cortesia em sua voz, aquilo tinha sido uma ameaça velada, infelizmente Angie não recuou, pelo contrario, enfrentou novamente o capitão se pondo na frente do homem escuro. – bom você não me deixa escolha criança – não havia hesitação em sua voz, ele nem sequer sentiu qualquer remorso – Guardas – lá estava eu paralisado, tanto por medo quanto pela própria cena em si – Apontar – minha voz não saia, nada que eu falasse ou tentasse pelo menos fazia, eu fiquei lá, parado, sem a mínima reação, esse foi meu terceiro erro, nesse meio termo, minha irmã com suas mãozinhas delicadas encaixou sua linda rosa no cano da arma do capitão, e mesmo assim, mesmo diante dessa cena não houve um brilho sequer de piedade em seus olhos, naquela horas eles estavam mais escuros do que nunca – Fogo.
Eu gritei, ao som do comando de Arthas eu gritei, mas voz nenhuma saiu, tudo o que consegui ver, foram pétalas queimadas daquela linda rosa boiando em um pequeno mar de sangue.
submitted by zephrot to u/zephrot [link] [comments]


2020.08.15 07:15 mrmambojazz Dúvida em compra de celular Xiaomi no Mercado Livre

Olá, gostaria de tirar uma dúvida com quem está acostumado a comprar esse tipo de produto com valores mais altos (celular,notebook etc)
Comprei um Xiaomi no Mercado Livre de um vendedor do Paraná com boas qualificações, mas minha mercadoria tá travada no correios a uma semana e no rastreamento está especificado assim:
04/08/202021:25LONDRINA / PR
Objeto encaminhado de Unidade de Tratamento em LONDRINA / PR para Unidade Administrativa em Fiscalizacao Aduaneira/ BR04/08/202020:51LONDRINA / PR
Objeto encaminhado de Unidade de Tratamento em LONDRINA / PR para Unidade Administrativa em RETENCAO - AGUARDANDO ORGAO COMPETENTE / BR

Alguém já passou por esse problema? não estou preocupado com a grana pois sei que o Mercado Livre extorna o valor mas não consigo cancelar a compra porque o tempo de entrega foi extendido por mais uma semana então até essa data limite se não receber também não posso extornar a compra pra comprar outro celular. Ainda posso ter esperança que vou receber o produto ou me ferrei e meu celular tá apreendido?
submitted by mrmambojazz to brasil [link] [comments]